Vacina da Janssen pode causar reações raras neurológicas A Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, órgão semelhante à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil, atualizou o aviso de que a vacina Janssen pode incluir risco mínimo de desenvolver a síndrome de Guillan Barré (GBS).

O alerta afirma que os sintomas começam até 42 dias após a vacinação e que “a chance de isso acontecer é muito baixa”.

Desde que a vacinação com a Janssen começou nos Estados Unidos, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) receberam relatórios de 100 indivíduos vacinados que desenvolveram posteriormente esse distúrbio do sistema imunológico que pode causar fraqueza muscular e paralisia ocasional.

No entanto, o relatório representa apenas uma pequena fração, já que quase 13 milhões de americanos tomaram a vacina, que requer apenas uma dose. A maioria dos casos foi registrada em homens, muitos com 50 anos ou mais, geralmente duas semanas depois que a dose da vacina foi administrada.

A fabricante Johnson & Johnson afirma em comunicado que a empresa discutiu os relatos do efeito colateral com o FDA e autoridades de saúde em outros países.

De acordo com as autoridades americanas, nenhum caso da doença foi relatado após a vacinação com as vacinas de mRNA da Pfizer e Moderna.

A síndrome de Guillan Barré é um distúrbio neurológico no qual o sistema imunológico do corpo danifica as células nervosas, causa fraqueza muscular ou, nos casos mais graves, paralisia.

A doença afeta entre 3.000 e 6.000 pessoas nos Estados Unidos anualmente, e a maioria se recupera.

A síndrome pode ser desencadeada por uma variedade de infecções, incluindo influenza, citomegalovírus e vírus Zika. Em alguns casos raros, as pessoas desenvolveram a doença dias ou semanas após receberem certas vacinas.

Anvisa
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) solicitou às farmacêuticas Janssen e AstraZeneca a inclusão na bula de suas vacinas contra a Covid-19 a contraindicação de uso para as pessoas com histórico da Síndrome de Extravasamento Capilar.

O pedido foi feito na última sexta-feira (9) após monitoramento do perfil de eventos adversos esperados com estas vacinas no Brasil e no mundo.