Brasil encerra Jogos Pan-Americanos de olho na Olimpíada de Tóquio O esporte no Brasil nunca esteve tão bem. Após a conquista da Copa América de futebol masculino, agora o Brasil fez bonito também nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru. As equipes brasileiras fecharam as competições neste domingo (11) com 55 ouros, 45 pratas e 71 bronzes. O Brasil ficou em segundo no quadro geral, atrás apenas dos Estados Unidos, repetindo o ocorrido em 1963, no Pan de São Paulo.

Outro recorde interessante atingido pelo Brasil foi o de número de modalidades que foi ao pódio. O Brasil conquistou medalha em 41, mais que os 40 do Rio 2007. Nos títulos, foram 22 modalidades com ouros, repetindo as 22 de 2007. Com menos de 500 atletas, delegação foi a menor desde 2003, o Brasil se destacou muito mais em esportes individuais do que nos coletivos.

O carro chefe do Brasil foi, pela quarta vez seguida, a natação. Da piscina de Lima vieram 10 medalhas de ouro, e um total de 30 medalhas. A vela, sempre tão tradicional no país, conquistou cinco títulos em onze possíveis, em um aproveitamento espetacular. Atletismo e ginástica (artística e rítmica), com seis e cinco douradas respectivamente, superaram o resultado ruim de Toronto 2015 e voltaram a colocar o país como potência no continente.

O Brasil também teve conquistas inéditas como o primeiro título no badminton e nas águas abertas, primeiro ouro feminino no boxe, patinação, taekwondo e triatlo, primeira dobradinha do individual geral da ginástica, primeiro pódio nos saltos ornamentais sincronizado... e muito mais.

Os Estados Unidos mantiveram a hegemonia. Pela 16ª vez em 18 Pans ficaram na frente do quadro de medalhas. Foram, ao todo, 117 ouros, 87 pratas e 83 bronzes, totalizando 287 pódios e a primeira posição no ranking.

A próxima parada do Brasil será na Olimpíada de Tóquio 2020. O sonho de novas conquista é real, agora com a inclusão do surfe e do skate no programa de provas.