Diretor Geral da Alerj sugere expulsão sumária de agentes do Degase acusados de abuso sexual

O TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) determinou o afastamento do diretor e de cinco agentes de uma unidade socioeducativa feminina do Degase por suspeita de abuso sexual cometido contra as internas. A denúncia foi apresentada pelo MPRJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) e reiterada pela Defensoria Pública. 

Na decisão, aceita pela Justiça na quinta-feira (01), a juíza Lúcia Mothe Glioche destaca trechos do depoimento de algumas jovens à Corregedoria do Degase. Os relatos revoltaram a população e também autoridades que decidiram se manifestar. O atual Diretor Geral da Alerj e ex-Secretário de Estado de Educação do Rio de Janeiro, Wagner Victer, emitiu uma nota de repúdio. 

"Como Ex-Secretário de Estado de Educação do Rio de Janeiro estou enojado com o comportamento dos agentes do DEGASE, relatados na matéria que está sendo veiculada hoje (03) nos jornais, na questão de abusos sexuais como jovens internas.



Esses agentes, caso realmente seja comprovado, devem ser expulsos sumariamente do serviço público e devem responder nos mais rigorosos dispositivos da Lei Criminal, pois é inadmissível que jovens que já estejam fragilizadas, cumprindo as suas penas socioeducativas, venham a ser exploradas por essas pessoas que são literalmente animais.



O Secretário de Educação e o Governador agiram corretamente pela exoneração imediata do Coordenador da Unidade, do Corregedor e também do Diretor do DEGASE, pois efetivamente não agiram dentro do rigor e agilidade devidos quando tomaram conhecimento desse assunto.



É, portanto, revoltante essa violência contra jovens que estão privadas de liberdade para cumprir medidas socioeducativas no DEGASE e não podem ser explorados por "animais" e isso merece meu total repúdio e indignação.

"

WAGNER VICTER


Ex-Secretário de Estado de Educação



Leia também:

Cúpula do Degase é exonerada após denúncia de abuso sexual