Infectologista tira dúvidas sobre a importância e a segurança da vacina BCG, contra a tuberculose

Há 100 anos, a principal aliada no combate às formas graves da tuberculose entre as crianças é a vacina BCG, aplicada em dose única em crianças entre 0 a 4 anos de idade, de preferência nas primeiras 12 horas de vida do bebê.

Doença contagiosa transmitida pela saliva, a tuberculose afeta não apenas os pulmões, mas também outras áreas do corpo como ossos, rins e meninges. Os principais sintomas da doença são tosse, às vezes com expectoração e sangue, falta de ar, dores no peito, fraqueza, perda de peso, febre e suores, principalmente ao final do dia.

Sobre a importância da vacina BCG, o Melodia News ouviu a Dra. Adriana Coracini, Infectologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

Veja como foi a entrevista:

Qual é a importância da imunização com a vacina BCG?

A vacina BCG é importante porque ela protege a criança contra formas graves de tuberculose, esse é o objetivo que é alcançado, com certeza. Então, a gente raramente tem casos graves de tuberculose no Brasil, em especial nos primeiros 2 ou 3 anos de vida, por conta da BCG.

Mais recentemente, tem saído outros trabalhos mostrando o benefício da BCG, possivelmente, na proteção cruzada contra outras doenças comuns da Infância. A ideia seria que é uma vacina que consegue estimular resposta imune de uma maneira que o sistema imune fica mais alerta e mais proativo contra outras infecções. Então, é uma vacina bastante importante na infância.

Qual é o público-alvo para a vacina BCG? Existe contraindicação?

O público-alvo para a vacinação de BCG são os recém-nascidos, então essa é a faixa etária adequada para receberem a vacinação. Ou, idealmente, já na maternidade, porque depois que a criança vai para casa, muitas vezes, pode se esquecer, é difícil de sair, então aproveita essa oportunidade de já realizar na maternidade. Ou ainda nas primeiras semanas de vida.

Ela só não é indicada para crianças que têm alguma suspeita de imunodeficiência ao nascimento, então são feitos testes, como o teste do pezinho, para rastrear algumas imunodeficiências, mas não todas.

Quais são os riscos que a tuberculose pode oferecer para as crianças? Pode haver doença grave?

Existem formas graves, sim, de tuberculose na infância, em especial nos primeiros anos de vida, então a função da BCG é justamente evitar essas formas graves. Ela não consegue evitar a tuberculose no geral, mas ela evita que a criança desenvolva formas graves.

Existem formas de tuberculose disseminadas, com acometimento do sistema nervoso central, do cérebro, então são formas muito graves e de difícil tratamento, então esse seria o problema da tuberculose na infância.

Após a administração da vacina é preciso manter algum cuidado com as crianças?

Após a vacinação com BCG, cerca de duas três semanas após - é uma injeção intradérmica, bem na pele do braço -, depois desse tempo pode começar a aparecer uma reação inflamatória, formar até uma ferida, pode sair secreção purulenta, mas fica uma ferida de no máximo 1 cm que, depois que cicatriza, ficar menor.

Os cuidados locais, no momento em que sai a ferida, são: lavar com água e sabão no banho; secar bem sem esfregar; evitar coçar; tentar sempre usar uma roupinha que cubra a ferida para não pousar mosquitinho, não ter nenhum problema de higiene no local, então sempre manter coberto com a própria roupa talvez até ocluir; e manter as unhas e mãos da criança bem higienizadas, e unhas curtinhas para não ter problema de se ferir ou de ferir ainda mais a lesãozinha.

Essa é uma feridinha que, às vezes, pode demorar mais tempo do que o habitual de outros machucadinhos da criança para cicatrizar, e isso é normal. Se tiver, lógico, demorando muito, a criança tem que consultar o pediatra para ver se está com a evolução habitual. Mas a ideia é não passar nenhum creme, nenhuma pomada, nada que possa interferir, e só lavar com água e sabão na hora do banho.

A vacina é segura? Existe chance de efeitos adversos graves?

A vacina é bem segura. Eventualmente, o único problema de segurança seria se a criança tiver uma imunodeficiência grave, dessas de herança genética, e aí pode, eventualmente, fazer uma doença que chama a BCGite, que é a disseminação da microbactéria que é inoculada intradérmica pelo corpo, então aí passa a ter uma doença sistêmica pela microbactéria que é inoculada na BCG. Muito, muito, muito, muito raro acontecer isso. Em geral, muitas das imunodeficiências são diagnosticadas por conta desse evento, vamos chamar assim, desse evento adverso. Fora isso, não se tem relato de qualquer outro evento adverso sistêmico grave que impeça a vacinação, então é uma vacina bastante segura sim.

Qual é a duração da proteção da vacina?

A duração do efeito da BCG, em geral, é na primeira infância mesmo. A gente não tem estudos, e nenhum método de avaliar, o quanto ela teria alguma participação ainda na imunidade contra a tuberculose em idades mais avançadas. A gente sabe que não tem efeito para redução de tuberculose na idade adulta, então o efeito dela é realmente na redução dos casos graves da infância.