Onda de calor no Canadá já matou ao menos 486 pessoas Pelo menos 486 mortes súbitas foram relatadas em cinco dias durante a onda de calor sem precedentes da Colúmbia Britânica, sugerindo que o clima extremo que afetou o oeste do Canadá nos últimos dias foi muito mais mortal do que inicialmente se acreditava.

Normalmente, 165 mortes súbitas ocorreriam na província durante esse período, disse o legista-chefe da província, sugerindo que mais de 300 mortes poderiam ser atribuídas ao calor. A nova contagem, anunciada na quarta-feira (30), marca um aumento de 195% em relação aos anos normais.

“Embora seja muito cedo para dizer com certeza quantas dessas mortes estão relacionadas ao calor, acredita-se que o aumento significativo nas mortes relatadas seja atribuível ao clima extremo que a Colúmbia Britânica experimentou e continua a impactar muitas partes de nossa província”, chefe legista Lisa Lapointe disse em um comunicado.

Lapointe disse que os números divulgados na quarta-feira são preliminares e aumentarão à medida que os legistas em comunidades da província inserem outros relatórios de mortes no sistema da agência.

“Nossos pensamentos estão com pessoas que perderam entes queridos”, disse o primeiro-ministro Justin Trudeau, alertando que as altas temperaturas em uma região do país mal preparada para tal calor foi um lembrete da necessidade de lidar com a mudança climática.

Muitos dos que morreram durante o período de cinco dias eram idosos, viviam sozinhos e foram encontrados em residências que eram quentes e não bem ventiladas.

As leituras no centro de Vancouver eram de 37º C no sábado, 37,5º C no domingo e 38,6º C na segunda-feira.

Ao responder a centenas de ligações relacionadas ao calor na grande Vancouver, a polícia implorou ao público que ligasse para o telefone de socorro apenas para emergências, porque as mortes relacionadas ao calor esgotaram os recursos da linha de frente e atrasaram os tempos de resposta.