Pregador de rua ganha indenização no Reino Unido após ser preso injustamente

Um cristão que pregava nas ruas do condado de West Yorkshire, na Inglaterra, ganhou um caso contra a polícia local após ser preso injustamente e ter direitos violados.

A Corte determinou o pagamento de indenização de 3,250 libras, mais de R$ 20 mil, a David McConnell, que foi preso pela polícia de West Yorkshire em dezembro de 2019, por “perturbação da ordem pública relacionada a ódio” e por “pregar contra direitos LGBT e aborto”. As acusações foram consideradas falsas.

De acordo com o ‘Christian Institute’, que apoiou David no caso, ele estava pregando o Evangelho na rua quando um pedestre começou a incomodá-lo, provocando-o com questões sobre sexualidade e aborto. Embora não estivesse nem mesmo falando sobre esses assuntos, David foi detido e mantido preso por seis horas até ser liberado. A liberdade só veio após os policiais ouvirem a gravação da pregação e notarem que não havia nada de errado.

Para Simon Calvert, diretor do Christian Institute, o caso serve para “reafirmar a liberdade de expressão”: “Pregadores cristãos têm tanto direito de falar em público quanto qualquer outra pessoa” – afirmou.

Apesar do processo, David não culpa os policiais por terem o detido, porém ressalta: “eles poderiam ter perguntado sobre o meu lado da história em vez de simplesmente me prender.” Ainda segundo o pregador, os agentes não o informaram o motivo da prisão:

“Todos sabem que a polícia tem que te dizer qual lei você, supostamente, quebrou, mas esses policiais foram diferentes”, contou David, que classificou a experiência como “muito estressante”, mas que ficou para trás:

“Eu tenho que dizer que agora, quando eu estou pregando, a polícia tem sido bem amigável. Fico feliz de poder continuar compartilhando o Evangelho de Jesus Cristo.”