Cristãos boicotam Burger King por campanha LGBT com crianças

A rede de fast food Burger King ainda não conseguiu desbancar seu maior rival, o McDonalds e, se depender dos consumidores cristãos, isso não irá acontecer tão cedo. A cadeia de lanchonetes chegou ao trend topics no Twitter, mas de forma negativa. Usuários defensores da família fora para as redes sociais levantar a #BurgerKingLixo. A revolta começou depois que a empresa lançou uma campanha publicitária com crianças para orientar os pais a explicarem o movimento LGBTQIA+

Com a campanha “Como explicar?” por meio de um filme realizado em cocriação com especialistas da área de psicologia e diversidade, o Burger King fala em “retratar, de forma genuína e espontânea, a pluralidade e o amor, através do olhar das crianças”.

O boicote à marca foi como um tsunami nas redes sociais.

O pastor de jovens da Igreja Batista da Lagoinha, Lucinho Barreto, foi um dos primeiros a levantar o boicote: “Não toca nas nossas crianças que nos boicotamos mesmo”, legendou o pastor uma foto que publicou do Burger King no Instagram.

“Burger King lembre-se que quem lacra não lucra. Não mexam com as nossas crianças!”, tuitou a jovem Caroline Baggio.

Fizeram até mesmo uma imagem com a frase: “Burger King não faz bem para a sua saúde e nem para a família brasileira”.

O pastor Josué Gonçalves também lamentou ou que chamou de afronta à família tradicional de à Palavra de Deus.

"Cada vez mais estamos assistindo um movimento patrocinado pelas grandes empresas que visa promover uma “ideologia” que é anti-família .

Agora de forma explícita estão usando a inocência das nossas crianças para promover a “ideologia de gênero” que é uma afronta à família tradicional e à Palavra de Deus, onde diz que o Criador fez “macho e fêmea”.

Nós cristãos não somos homofóbicos, respeitamos a decisão que os adultos tomam quanto a sua opção sexual, porém, reprovamos usar as criancas para propagar aquilo que Deus reprova", disse em suas redes sociais.

O número de "descurtidas" no vídeo da campanha (abaixo) já é superior ao de curtidas.



Leia também:

Pastores se manifestam contra campanha LGBT do Burger King