Revista cita esquema de corrupção envolvendo Renan Calheiros e pizzaria O ditado que diz que “tudo acaba em pizza” pode ganhar uma versão mais atual, se depender a reportagem publicada pela Revista Crusoé. Segundo o veículo, Polícia Federal investiga o dono da Pizza Hut por repasse de propina ao senador Renan Calheiros (MDB-AL), atual relatos da CPI da Pandemia.

A investigação central gira em torno do empresário Alexandre Santoro, CEO da International Meal Company, proprietária, entre outras marcas, da Pizza Hut.

No Instagram, a deputada federal Carla Zambelli ironizou o senador, a quem passou a chamar de “pizzaiolo”.

“Agora não acaba só em pizza, mas na pizzaria mesmo”, escreveu a parlamentar ao compartilhar link da matéria na revista.

Segundo a reportagem, Santoro, que era CEO da América Latina Logística, em 2013, e o empresário Richard Klien, que administrava a empresa, teriam se reunido com Milton Lyra, que é apontado como operador de Renan Calheiros.

De acordo com o texto, o esquema envolvia a lavagem de dinheiro, por meio de uma firma ligada a Lyra, que seria repassado a políticos em troca de benefícios na edição da MP dos Portos. Segundo relatórios de quebras de sigilo bancário, só Renan Calheiros receberia R$ 773 mil.

A Polícia Federal deve ouvir Renan e Lyra nos próximos dois meses, após pedido de prorrogação das investigações ao Supremo Tribunal Federal.