“Quanto mais dias de vida eu ganho, mais livre me sinto A pastora Ludmila Ferber celebrou nessa quinta-feira (08) mais um ano de vida. Em maio de 2018, os médicos disseram que ela só teria mais 6 meses, no máximo, um ano de vida. Mas, cerca de um ano e meio depois, a cantora revela que a doença parou de avançar com o tratamento médico, que inclui quimioterapia, e muitas orações.

A corrente de oração por Ludmila tem sido engrossada por duas grandes cantoras e amigas, que mais uma vez tornaram público o seu amor e respeito pela pastora. Fernanda Brum escreveu uma linda mensagem para Ludmila em suas redes sociais.

“Hoje é dia do nosso milagre! Nosso porque tem um exército que ora em amor por ela! @pastoraludmilaferber todo dia é seu dia, você renasce em cada amanhecer! Eu e minha família te amamos e somos gratos pela sua vida! É uma honra caminhar com você! Nós sabemos nossas lágrimas, nossas alegrias, cada passo de fé, cada dia de superação, sabemos como são nossos pés dentro do sapato. Estamos juntas nessa jornada! Feliz aniversário! Feliz porque Deus faz infinitamente mais do que pedimos ou pensamos! Feliz porque celebramos você! Te amo Mila”, escreveu Fernanda.

Não menos carinhosa com a amiga, Eyshila usou uma foto de quando visitou a pastora no hospital para deixar uma mensagem de feliz aniversário.

“Parabéns, @pastoraludmilaferber Mila Gre! O milagre é você de verdade e com todas as forças. Essa foto é pra lembrar ao mundo que mesmo no pior momento da sua vida, seu sorriso estava lá. Aliás, tinha sorriso, maquiagem, salto alto, roupa rosa, lenço colorido e palavra de encorajamento para os enfermos que estavam por perto. Você tem tornado a sua vida relevante na Terra, e isso nos enche de orgulho. Obrigada por não ter parado. Vamos juntas no caminho do milagre. Que Deus te conceda muitos e muitos e muitos anos de vida e vitória. Amo você”, escreveu Eyshila.

Ludmila celebrou o nome de Jesus e lembrou que tem lutado contra a doença a cerca de um ano e meio e que, em 2018, passou seu aniversário no Pró-cardíaco “tomando bolsas de sangue, devido ao grande risco de morte pelo qual passava”.

“Quanto mais dias de vida eu ganho, mais livre me sinto... Jesus me faz feliz”, comentou a pastora.