Padre se revolta com casamento gay de jornalistas da Globo O jornalista Pedro Figueiredo, da TV Globo, não gostou nada de ser criticado por um padre por conta do seu casamento com o também jornalista da emissora, Erick Rianelli. Considerando as críticas como homofóbicas, ele usou as redes sociais, nesta quarta-feira (16), para comentar a repercussão sobre o caso.

Durante a celebração organizada pela Pastoral da Família, realizada no último domingo (13), o padre Paulo Antônio Müller chamou o profissional de “viad...”, além de criticar a união homoafetiva, que ele sinalizou como em desacordo com os dogmas religiosos. O caso ganhou repercussão após o ativista Antonio Isuperio, que se diz defensor de direitos humanos, publicar o trecho da missa em sua conta do Instagram.

A fala do padre chegou até o jornalista que hoje disparou: “Temos um profundo respeito por todas as religiões. Acreditamos no afeto e em seu poder de transformação. A Oração de São Francisco diz: “Onde houver ódio, que eu leve o amor”. É assim que vamos seguir em frente. Obrigado a todas as mensagens de carinho que temos recebido”, escreveu no Instagram.


Fora do ar

Após a grande repercussão nas redes sociais, a Paróquia Nossa Senhora de Aparecida, localizada na cidade de Tapurah, no Mato Grosso, decidiu retirar do ar o vídeo publicado no Facebook.

Na gravação, o padre dizia ainda aos jornalistas: “Pega a Bíblia e olha o Livro de Gênesis: Deus criou o homem e a mulher. Isso que é casamento”, disse o religioso, enfatizando que a união homossexual é qualquer coisa, menos casamento. “Isso é falta de respeito para com Deus. Isso é sacrilégio, é blasfêmia. Casamento é coisa bonita e digna. O sentimento do amor é entre homem e mulher, marido e mulher”, disparou.