Mulher denuncia terrorismo na Nigéria: Uma muçulmana que viveu na Nigéria denunciou as graves ações de grupos terroristas islâmicos no país. Ela testemunhou sobre a perseguição e criticou a resposta do governo nigeriano à onda de violência que afetou milhões de pessoas a um importante órgão de supervisão da liberdade religiosa dos Estados Unidos. Segundo ela, o país é uma "bomba-relógio" com extrema necessidade de reforma.

A Comissão bipartidária dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional, encarregada de assessorar o governo federal e o Congresso sobre questões globais de liberdade religiosa, organizou um painel na quarta-feira (09) para discutir "extremismo e inação do governo" na Nigéria.  

Hafsat Maina Muhammed, a fundadora da “Choice for Peace, Gender and Development”, compartilhou que, como uma mulher muçulmana que vivia na região nordeste da Nigéria, ela enfrentou perseguição tanto de terroristas do Boko Haram quanto do governo.

Ela disse que enfrentou perseguição por ser muçulmana e mulher, dizendo que "há uma maneira de uma mulher muçulmana se comportar, agir ou estar na sociedade". 

"Os líderes religiosos da parte norte da Nigéria dizem que sou muito educada e falante demais, o que não deveria ser", explicou ela. "Todos os dias, eu pergunto, por que fui perseguida? Por que sou uma mulher muçulmana? Por que devo agir da maneira que eles querem que eu aja ou acreditar da maneira que eles querem que eu acredite?"

Ela disse que o Boko Haram, o grupo extremista islâmico que deslocou milhões e matou milhares no nordeste da Nigéria nos últimos anos, "desencadeou o caos" em seu governo local, estado e pessoalmente.   

“Fui vítima de estupro dessas pessoas”, ela continuou. “Fui vítima de espancamento brutal. Fui vítima de seus encarceramentos. E eu escapei. …Mas isso quer dizer que muitas mulheres e muitas pessoas na Nigéria, especialmente na parte nordeste do país, independentemente de sua fé - e isso é o que eu acredito com base em minha pesquisa e no que tenho visto - independentemente de serem muçulmanos ou cristãos, enfrentaram perseguição e ainda enfrentam perseguições ”.

Ela acrescentou que muitas mulheres "ainda estão lá porque não têm para onde ir".

A diretora da ONG compartilhou como ela viu até mulheres grávidas serem cortadas e seus bebês removidos. Ela disse que correu para a floresta para resgatar esses bebês. 

Ela alertou que o governo da Nigéria carece de transparência e responsabilidade. 

“O governo da Nigéria, que conhecemos há muito tempo, não está funcionando”, explicou ela. “As leis não estão funcionando... Sim, existe intolerância religiosa, mas não é sobre o Islã, não é sobre o Cristianismo, não é sobre o Hinduísmo ou Budismo. É sobre um povo que não pode se unir para viver em paz e se entender com respeito. Falta tolerância. Falta mediação ”.

Muhammad acredita que os políticos permitem que a situação permaneça e até gerem conflitos na Nigéria porque desejam que o caos continue. Ela chamou essa situação de "bomba-relógio".

Frank Wolf, ex-congressista dos EUA, defensor da liberdade religiosa e autor do Ato de Liberdade Religiosa Internacional de 1998, compartilhou como os EUA não podem se recusar a intervir no genocídio que está acontecendo na Nigéria.

“Enquanto o mundo e os EUA ignoraram... o genocídio em Ruanda, centenas de milhares de pessoas morreram”, disse Wolf. “A história está se repetindo. Por causa das atrocidades em Ruanda que havíamos ignorado, o presidente Bill Clinton voou para Ruanda e pediu desculpas ao povo ruandês perto do final de seu mandato. ”

“Se o que está acontecendo na Nigéria estivesse acontecendo com quase qualquer país da Europa, o mundo ficaria furioso e engajado. Mas na Nigéria, não há ação ”, continuou Wolf. 

Wolf, de 82 anos, disse: “agora sabemos o que está acontecendo na Nigéria, então não podemos fingir que não sabemos”.

Cerca de metade da população da Nigéria se identifica como cristã. Há mais de 95 milhões de crentes, e a divisão entre cristãos e muçulmanos é quase igual, de acordo com a organização global de vigilância contra a perseguição Portas Abertas. Mais cristãos são mortos na Nigéria do que em qualquer outro país do mundo a cada ano, relata a organização. 

Além do Boko Haram e dos extremistas do Estado Islâmico que aterrorizam o nordeste da Nigéria, milhares de cristãos foram mortos em comunidades agrícolas em todo o Cinturão Médio da Nigéria nos últimos anos, em ataques atribuídos a pastores Fulani radicalizados. Ativistas alegaram que a violência ocorrida no Cinturão Médio atingiu o padrão de "genocídio" e muitos acusaram o governo Buhari de não proteger seus cidadãos. 

O governo alegou que a violência no Cinturão do Meio tem menos a ver com religião e se deve a confrontos étnicos de longa data entre fazendeiros e pastores.

O Índice de Terrorismo Global classificou a Nigéria como o terceiro país mais afetado pelo terrorismo em 2020. É relatado que mais de 22.000 pessoas foram mortas por atos de terror de 2001 a 2019.

O relatório anual de 2021 da Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa e Internacional advertiu que a Nigéria “se moverá implacavelmente em direção a um genocídio cristão” se a ação não for tomada rapidamente. 

A Nigéria foi a primeira nação democrática a ser adicionada à lista do Departamento de Estado dos Estados Unidos de "países de preocupação particular" sob a Lei de Liberdade Religiosa Internacional por se envolver em "violações sistemáticas toleradas, contínuas e flagrantes da liberdade religiosa".