Bolsonaro pretende acabar com taxas para organizações religiosas

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que estuda acabar com impostos para organizações religiosas e defendeu que o processo de prestação de contas para elas seja descomplicado.



“Tem uma dúvida muito grande da Constituição quando fala de isenção de impostos. Então esse assunto vem sendo discutido com vários setores da sociedade. Outros setores também. Essa que é a nossa intenção, discutir esse assunto. E se chegarmos à conclusão que tem amparo legal para você acabar com alguma taxa, então acaba”, disse Bolsonaro na manhã de quarta-feira (07).



“Agora uma coisa importante também é descomplicar. Não pode cada igreja ter que ter um contador, ninguém aguenta isso”, acrescentou o presidente, que disse não querer taxar mais ninguém.



Ao ser questionado se pretende "facilitar a vida dos pastores", assim como disse que quer fazer com empregadores, ele afirmou que tem a intenção de "fazer justiça com os pastores e com os padres, nessa questão tributária".



Bolsonaro se encontrou ontem com vários líderes da Bancada Evangélica e autoridades cristãs, entre eles os deputados federais Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus; pastor Marco Feliciano (Podemos-SP); o juiz federal William Douglas e o missionário R. R. Soares, fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus.



O presidente também participou de um almoço com parlamentares da Frente Parlamentar Evangélica na casa do deputado federal Silas Câmara (PRB-AM), líder do grupo.



Segundo o porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barroso, o presidente está aberto ao tema, mas o assunto ainda está em estudo.