Rio registra queda da taxa de letalidade por covid-19

A nova edição do boletim epidemiológico do Rio de Janeiro mostra queda da taxa de letalidade da covid-19 no município em comparação à do ano passado. Em 2020, morreram 18.559 das 204.707 pessoas que contraíram a doença, o que representa 9,1%. Neste ano, foram 126.231 casos e 8.108 mortes na capital fluminense. A taxa de 2021, portanto, é de 6,4%.

É a primeira vez que o relatório divulga separadamente os números de 2020 e 2021, permitindo as comparações. As informações também estão disponíveis para consulta no painel online.

A taxa de letalidade do Rio tem se mantido bem acima da média nacional desde o ano passado. Atualmente, o painel do Ministério da Saúde mostra índice de 2,3% para todo o país. Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alertam que percentuais muito altos podem indicar falta de atendimento adequado para quadros mais graves ou baixo número de testes, o que gera subnotificação principalmente de casos leves, interferindo no cálculo da letalidade.

O boletim da prefeitura mostra que houve um salto significativo na média de exames feitos pela rede municipal de saúde desde novembro de ano passado, o que pode ter reflexos na taxa de letalidade. Além disso, a queda ocorre em meio ao avanço da vacinação, iniciada em janeiro deste ano. Segundo o boletim, 33% da população já tomou a primeira dose da vacina e 14,3%, a segunda.

A redução do número de óbitos é notada desde a 15ª semana epidemiológica, em meados de abril. "É o que esperamos da vacina. Vamos continuar tendo síndrome gripal e casos mais leves, mas o que de fato esperamos é a queda dos casos mais graves e a redução dos óbitos. A vacina até impede o adoecimento, mas também tem um percentual de pessoas que podem adquirir o vírus. E o que se espera é que não se agrave e não evolua para óbito", disse o superintendente de Vigilância em Saúde da SMS, Márcio Garcia.

A incorporação de dados de testagem foi outra novidade nesta edição do relatório. "Como já anunciamos, desde o início de janeiro, incorporamos o teste rápido de antígeno, que, em 15 ou 20 minutos, dá o resultado. O teste está disponível em todas as unidades de saúde. E o gráfico mostra uma boa representatividade dele em 2021. Estamos fazendo mais testes de antígeno do que o PCR. São os dois melhores disponíveis para o diagnóstico de covid, mas o PCR leva dois ou três dias para ter o resultado", enfatizou Garcia.

Apesar da queda no número de mortes, o boletim indica que todas as regiões da cidade permanecem classificadas como de risco alto de transmissão. Foi considerando o conjunto de dados em que foram prorrogadas, até 14 de junho, medidas restritivas como as limitações de ocupação impostas para o funcionamento de bares e restaurantes e a proibição de abertura de boates e casas de festa.

Novo perfil de internados

Atualmente, a taxa de ocupação de leitos na rede pública municipal é de 65%. São 1.304 pessoas internadas. O boletim mostrou uma mudança de perfil desse público, com redução nos percentuais de idosos.

Em janeiro, 16,7% dos ocupantes de leitos na rede pública do município tinham entre 80 e 89 anos. No mês passado, o percentual caiu para 7,3%. Houve queda também nas faixas etárias entre 70 e 79 anos (de 23% para 11,3%) e entre 60 e 69 anos (de 23,7% para 18,1%).

Em consequência, o percentual de internados de faixas etárias mais baixas aumentou. As pessoas entre 50 e 59 anos, por exemplo, representam 46,2% dos ocupantes de leitos na rede pública. Em janeiro, eram 22,5%. "Com o início da vacinação por idade, esperamos ver uma redução das internações e de casos graves e óbitos em todas as faixas etárias", disse o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

De acordo com o secretário, o percentual de internados idosos deve continuar em queda. "No público acima de 60 anos, os números não caem mais porque ainda temos muita gente internada com covid cronicamente, desde antes da vacina. Conforme essas pessoas forem tendo alta, o percentual de internados vai se reduzir ainda mais nessas faixas etárias", afirmou.