Médica indiana é processada criminalmente por dizer a pacientes de Covid que “Jesus cura”

Uma média cristã de Madhya Pradesh, região central da Índia, foi considerada suspeita e está enfrentando um processo criminal acusada de persuadir pacientes a se converterem ao cristianismo.

De acordo com observatório de perseguição a cristãos ‘International Christian Concern’ (ICC), a Dra. Sandhya Tiwari trabalha cuidando de pacientes de Covid-19 no programa de combate à doença da Índia, atual epicentro da pandemia e de onde surge uma nova variante potencialmente mais transmissível do coronavírus. Além dos procedimentos médicos, a Dra. também oferece oração às pessoas sofrendo com o vírus, o que teria sido denunciado.

Um cidadão local teria se ofendido com o gesto de Tiwari e, em seguida, dado queixa da médica a polícia, que teria apreendido seu telefone celular e um conjunto de literaturas cristãs. Em um vídeo que circula nas redes sociais, a médica é atacada verbalmente por um homem, enquanto se defende:

“O que tem de errado em dizer aos pacientes que Deus cura? Eu não estou dizendo para ninguém se converter ou forçando alguém a orar para Jesus, eu estou apenas sendo uma cristã. Eu disse a eles que Jesus cura” – diz a Dra. Tiwari.

Segundo a ICC, a perseguição a cristãos é comum na China, partindo de um abuso das leis anti-conversão no país praticado, especialmente, por nacionalistas hindus. Um cristão que preferiu não se identificar contou à organização que a repressão é grande:

“Esse é o estado da liberdade religiosa em nosso país. Nós podemos ser denunciados por uma conversa que tenhamos com pessoas de outras fés. Na maioria dos casos, os fatos são destorcidos para encaixar em uma agenda e, infelizmente, acaba sobrando para as minorias”.

De acordo com a lista de perseguição organizada pela ‘Open Doors World Watch’, a Índia é o décimo pior país do mundo para cristãos.