Morre sambista infectado pelo coronavírus mesmo após segunda dose da vacina Morreu nesta quinta-feira (27), o sambista Nelson Sargento, aos 96 anos. Sargento foi diagnosticado com o novo coronavírus na última sexta-feira (21), quando foi internado.

O compositor havia tomado a segunda dose da vacina contra a Covid-19 no dia 26 de fevereiro. Além da idade avançada, Nelson Sargento sofreu com um câncer de próstata.

Nascido em 25 de julho de 1924, na Praça 15, região central do Rio de Janeiro, Nelson Mattos ganhou o apelido de Nelson Sargento depois de uma rápida passagem pelo Exército.

Segurança da vacina
O caso de Nelson Sargento traz à tona a discussão sobre a segurança das vacinas contra o coronavírus. As vacinas aprovadas contra a Covid-19 possuem níveis diferentes de proteção contra a doença, mas nenhuma delas mostrou evitar 100% as infecções.

Especialistas afirmam, portanto que o risco para desenvolver a doença existe mesmo com duas doses da vacina e pode ser explicado por diferentes fatores.

Um estudo recente em São Paulo constatou que a CoronaVac é efetiva contra a Covid-19 em idosos acima de 70 anos, apesar de seu desempenho cair conforme a idade. O imunizante, que havia demonstrado eficácia de 50,7% num estudo com trabalhadores da saúde, apresentou resultado de 41,6% entre idosos, grupo que normalmente responde pior a vacinas em geral. Na faixa acima de 80 anos, a efetividade geral cai para 28% após as duas doses, mostrou o estudo.

Assim, especialistas reforçam que, mesmo vacinados com duas doses, existe a necessidade de se continuar as políticas de distanciamento social, uso de máscara e outras formas de prevenção de contágio para combater a pandemia, junto da campanha de vacinação.