Bispo é preso junto com sete padres na China

Um bispo católico nomeado pelo Vaticano foi preso na China junto com sete padres e seminaristas na última semana. As detenções teriam ocorrido após novas regras administrativas apertarem o cerco do partido comunista chinês sobre organizações religiosas no país.

O Bispo Joseph Zhang, da Diocese de Xinxiang, foi preso no último dia 20 de maio na província de Hebei, no litoral norte da China, quando sete padres também foram detidos. Segundo informações da agência ‘Union Catholic Asian News’, as prisões dos sacerdotes ocorreram após a diocese decidir usar um prédio de uma fábrica abandonada como um seminário, “violando novas regulações repressivas implementadas contra a atividade religiosa”.

A detenção do Bispo Zhang, dos padres e dos seminaristas procede a introdução de novas medidas administrativas sobre atividades religiosas que entraram em vigor na China no dia 1º de maio, apertando ainda mais o cerco. Entre as regras está a necessidade de que bispos e outros líderes religiosos sejam aprovados por órgãos oficiais do Estado comunista chinês.

De acordo com a agência AsianNews, o bispo e os padres estão sendo mantidos em confinamento em um hotel, onde passam por “sessões policiais”, enquanto que os seminaristas presos na mesma ocasião foram enviados de volta para suas famílias e proibidos de continuar os estudos em teologia.

O diretor da organização cristã de direitos humanos CSW, Mervyn Thomas, disse em nota que a “CSW condena essas prisões”, que parecem “confirmar que as restrições às comunidades religiosas vão continuar se apertando” na China. “Nós também encorajamos a comunidade internacional a divulgar esses e outros casos arbitrários de detenção e ameaça a líderes religiosos”, completou Thomas.