“Impossível não ter fé em Deus”, diz jogador eleito o mais jovem em lista de filantropia

Não é de hoje que Marcus Rashford, atacante inglês do Manchester United (ING), chama a atenção da comunidade do futebol. Desde o começo de sua carreira, seu talento despertou os olhares de muitos amantes do esporte, mas nos últimos anos são suas boas ações que estão ganhando cada vez mais destaque.

Aos 23 anos, Rashford acaba de se tornar a pessoa mais jovem a ser eleita no topo da lista de filantropia divulgada pelo jornal britânico ‘The Sunday Times’. Esse título, fora dos gramados, foi conquistado pelos esforços do menino humilde da Inglaterra para combater a fome infantil em seu país. Ao todo, o jogador já levantou, em menos de dois anos, cerca de 20 milhões de libras – mais de R$ 150 milhões – para a causa.

Tudo começou com uma campanha para garantir refeições aos estudantes mandados para casa durante o lockdown no Reino Unido, no começo da pandemia, mas Rashford não parou por aí e conseguiu convencer o governo britânico a embarcar na causa. Além do combate à fome, o jogador inicia agora também uma luta pelo acesso das crianças pobres à literatura, tendo lançado seu primeiro livro, ‘Você é um campeão’.

Perguntado se é uma pessoa religiosa, a resposta de Marcus Rashford não poderia ser diferente:

“Sim, definitivamente. A fé que nós temos em Deus é demonstrada pela pessoa que nós somos. Para mim e para minha família, certamente esse é o caso. Se você pudesse ver como eram nossas vidas há 15 ou 20 anos, comparada ao que são agora, é impossível não ter fé em Deus e em tudo o que Ele fez por nós. Meus valores vieram de casa; das regras e do respeito que tivemos uns pelos outros”.