Em carta aberta, pastores cubanos pedem pela liberdade de presos políticos Sete pastores cubanos publicaram uma carta aberta na última sexta-feira (21) para pedir a libertação de cidadãos presos por motivos políticos no país.

“Vimos com preocupação a detenção violenta e arbitrária contra um grupo de manifestantes pacíficos na rua de Obispo, em Havana, em 30 de abril”, inicia o texto.

No documento, os pastores lembram ao regime comunista que “o indivíduo, no uso das liberdades naturais conferidas por Deus (endossadas ou não pela entidade humana) pode manifestar sua liberdade de expressão em qualquer espaço” e que a Declaração Universal dos Direitos Humanos “consagra a liberdade de expressão e manifestação de que foi privado o grupo dos convocados em Obispo”.

Publicada na página do Facebook “Libertad y Conciencia”, a carta foi assinada por líderes de diferentes denominações evangélicas, e denuncia que vários cubanos que participaram da manifestação na rua Obispo continuam “atrás das grades”.

Esteban Rodríguez, Luis Ángel Cuba Alfonso, Mary Karla Ares, Yuisán Cancio Vera e Inti Soto Romero foram detidos por protestarem contra o cerco que a ‘polícia política’ ordenou que se estabelecesse em torno da casa do artista dissidente Luis Manuel Otero Alcántara, que na época estava em greve de fome, e foi retirado de sua casa pelas forças repressivas e ainda está internado em um hospital em Havana.

“Exigimos ao Estado cubano a libertação imediata dos detidos de Obispo sem consequências jurídicas para eles ou para as suas famílias”, solicitam os líderes religiosos.

Segundo o portal ADN Cuba, Inti Soto Romero foi estudante de Teologia. Fontes próximas à família de Yuisán Cancio Vera informaram ao Diário de Cuba que “o jovem frequentava a Igreja Metodista de El Vedado”.

A carta foi assinada por Yordanys Díaz (presidente da Igreja Cristã Reformada de Matanzas), Alejandro Hernández (pastor de Igreja Aliá, de Havana), Odalina Guerrero (pastor do Ministério Apostólico Internacional Corban, de Artemisa), Carlos Macías (pastor de a Igreja Metodista, de Matanzas), Jaisel Piñero (pastor evangélico da Igreja Sancti Spíritus), Yoel Demetrio (pastor da Igreja Missionária Internacional, de Las Tunas) e Alain Toledano (pastor do ‘Movimento Sendas de Justicia’, de Santiago de Cuba).