Damares alerta para A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que o Brasil “está diante do caos da epidemia de suicídio”.

Em entrevista à TV Brasil, Damares declarou:

“É possível que a gente se assuste. Que a gente esteja entre os cinco primeiros no mundo em suicídio e automutilação.”

A ministra ressaltou que há um fenômeno dessas ocorrências entre crianças:

“Nós temos registro de crianças de seis anos no Brasil que se suicidaram. A menina mais jovem que conversou comigo, que estava se automutilando e querendo se matar, tinha sete anos.”
Damares disse ainda que acredita que enfrentar esse tema é um desafio da humanidade e que o Brasil já amarga números absurdos.

A ministra lembrou que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o país já é o oitavo no mundo, mas que o relatório é de um período em que havia subnotificação. Com a nova legislação, sancionada este ano no país, será obrigatório informar suicídio, tentativa e o resultado de investigação criminal que comprove que a pessoa optou pela própria morte. A automutilação também terá de ser registrada.

Damares afirmou o ministério focou nas orientações estabelecidas pela OMS para falar sobre o assunto, para não haver risco de efeito contágio.

Segundo a OMS, nove em cada 10 casos de suicídio poderiam ser evitados. A pessoa em sofrimento precisa buscar ajuda e receber atenção de quem está à sua volta. Demonstrar sensibilidade e dar importância ao sofrimento do outro é fundamental, segundo os especialistas.
Desde 2018, os Centros de Valorização da Vida (CVV) também atendem quem precisa de ajuda. Basta telefonar para o número 188. A ligação é gratuita para todo Brasil.

Acolhimento profissional especializado é feito nos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), vinculados ao SUS. De acordo com o Ministério da Saúde, nos locais onde existem Caps, o risco de suicídio reduz em até 14%.