Mãe se recusa a abortar bebê sem braços Na 19ª semana de gestação, Vanessa McLeod recebeu a difícil notícia de que sua filha, Ivy, não tinha os dois braços. Devastada, a mãe disse em entrevista ao site “Love What Matters” que foi orientada pelo ginecologista a procurar um geneticista para entender melhor qual era o problema do bebê.

“Achei que a consulta me daria mais esperanças, mas foi o contrário”, desabafa. Vanessa revela que o médico falou que não havia esperanças e sugeriu que ela abortasse.

“E quando eu e meu marido começamos a dizer para ele que queríamos manter a gravidez, ele disse bruscamente: ‘Mas pense na qualidade de vida... ela não vai ter mãos!’”, lembra. A mãe fala que ficou muito abalada e confusa. “Eu sempre fui a favor da descriminalização do aborto, mas aquela conversa com o médico mexeu muito comigo. Ele fez eu me sentir culpada por querer manter a gravidez.”

“Mas, assim que tive um momento de privacidade com meu marido, ele olhou para mim e disse com muita certeza e paixão: ‘Eu vou fazer o que for preciso para cuidar dela. Eu farei qualquer coisa. Vou construir a prótese que precisar. Vou cuidar dela durante toda a vida’. Naquele momento, soube que ele estava certo. Ela era nossa para amar e proteger e nós já a amávamos”, completa.

Os dois seguiram o coração e Vanessa levou a gestação até o fim. Hoje, a pequena Ivy tem três meses e está saudável. “Ela é perfeita para mim. Nunca a trocaria por nenhum outro bebê no mundo. Era para ela ser minha filha. Queria que aquele médico que me mandou abortar visse como minha filha está se desenvolvendo bem”, finaliza a mãe.