Estado americano sanciona lei que proíbe financiamento a clínicas de aborto

O governador Brad Little, do estado do Idaho, no noroeste dos Estados Unidos (EUA), sancionou na última segunda-feira (10) uma lei que corta qualquer tipo de financiamento público a clínicas de aborto. O texto, apelidado de ‘Ato Sem Dinheiro Público para o Aborto’, também proíbe que grupos pró-aborto assinem contratos com escolas e universidades públicas para fornecer educação sexual aos alunos.

As universidades também ficam proibidas de distribuir drogas abortivas que interrompam uma gestação após a concepção. De acordo com o grupo conservador ‘Aliança Política para a Família de Idaho’, esses medicamentos eram distribuídos nos centros médicos de pelo menos três das principais universidades do estado. O executivo do grupo, Diretor Blaine Conzatti, comemorou a medida:

“Tirar o financiamento de quem fornece aborto era uma de nossas maiores prioridades quando este ano legislativo se iniciou” – afirmou em um comunicado. “A população de Idaho não quer seu estado enviando dinheiro suado do contribuinte para essas organizações, e certamente não querem abortistas oferecendo seus serviços e promovendo o aborto em escolas e universidades públicas” – concluiu Conzatti.

A medida já havia sido aprovada pela Câmara Legislativa de Idaho por ampla maioria, sendo 55 votos a favor e 14 contra. Bruce Skaug, um dos mais fortes defensores do projeto de lei argumentou que “ela tira o financiamento para que o dinheiro de impostos não seja utilizado direta ou indiretamente em qualquer tipo de serviço relacionado ao aborto”.