Anvisa orienta suspensão de vacina da AstraZeneca em grávidas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou a suspensão imediata do uso da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Oxford para mulheres gestantes. Aqui no Brasil a vacina é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz. A orientação está em nota técnica emitida pela agência nessa segunda-feira (10).

A orientação da Anvisa é que a indicação da bula da vacina AstraZeneca seja seguida pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde. A decisão é resultado do monitoramento de eventos adversos feito de forma constante sobre as vacinas contra a Covid-19 em uso no país.

“O uso off label de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional de saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca não recomenda o uso da vacina sem orientação médica”, ressaltou a Anvisa.

A vacina vinha sendo usada em gestantes com comorbidades. Agora, só podem ser aplicadas nas grávidas a CoronaVac e a vacina da Pfizer.

Rio de Janeiro

A Secretaria Municipal de Saúde da capital se precipitou e no início do dia decidiu suspender a imunização com todas as vacinas e estender a suspensão também às puérperas (mulheres que deram à luz recentemente). Mas no fim do dia, deu a seguinte informação: "Por determinação do Ministério da Saúde, a vacinação contra a Covid-19 para gestantes e puérperas com comorbidades será realizada com os imunizantes da Pfizer ou CoronaVac. No município do Rio, é necessário apresentar laudo médico recomendando a vacinação, com avaliação detalhada de risco/benefício, e termo de esclarecimento da gestante sobre os efeitos dos imunizantes.".

São Paulo

Devido a essa orientação da Anvisa, a prefeitura de São Paulo suspendeu preventivamente a aplicação de vacinas contra covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz para gestantes. A suspensão será mantida até que ocorra uma nova orientação por meio do PNI.

A vacinação contra a Covid-19 permanece em andamento e ganhou novos públicos elegíveis nesta terça-feira (11): metroviários, ferroviários, mães de recém-nascidos com comorbidades e pessoas com deficiência permanente inscritos no Benefício de Prestação Continuada (entre 55 e 59 anos).

Texto atualizado com os dois últimos parágrafos, que tinham sido publicados originalmente como uma matéria à parte. Os textos foram incorporados em uma única matéria por tratarem do mesmo assunto. Posteriormente, às 9h45, foi incluído parágrafo com informações sobre o Rio de Janeiro.



 



(Matéria atualizada às 20h15 para alteração das informações relacionadas ao Rio de Janeiro)