Ginástica rítmica conquista mais um ouro para o Brasil no Pan O conjunto brasileiro de ginástica rítmica encantou os torcedores que estavam no poliesportivo Villa El Salvador, em Lima, nesta segunda-feira (5). A apresentação do quinteto, com arcos e maças sem erros, foi digna do lugar mais alto do pódio. No último dia da modalidade nos Jogos Pan-Americanos Lima 2019, faturou o primeiro ouro para o Brasil na categoria. México foi prata e Cuba, bronze.

A equipe campeã é composta só por ginastas estreantes e novas, com média de idade de 17 anos, que começou a treinar este ano.

"É um grupo muito promissor, com muito potencial e brilho no olhar", resumiu a treinadora Camila Ferezin, que já começa a pensar nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. "É nosso maior sonho e vamos chegar lá."

Foi a segunda medalha do último dia da ginástica rítmica no Peru. A primeira foi a prata de Bárbara Domingos, na fita.

Nas maças, as brasileiras Natália Gaudio e Bárbara Domingos fizeram apresentações sem erros, mas não foi o suficiente para conseguir um lugar no pódio. O ouro e bronze ficaram com os Estados Unidos e a prata com o Canadá.

O Brasil encerra a participação na ginástica rítmica com uma prata (fita) e três bronzes (individual geral com Natalia Gaudio, conjunto geral e conjunto nas bolas). Na história do Pan, já são 28 medalhas para o Brasil.