Policial Civil morre em operação na Favela do Jacarezinho; 24 suspeitos também foram mortos

Um policial civil morreu após ser baleado num intenso tiroteio durante uma operação da corporação na favela do Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro. André Frias era da Delegacia de Combate às Drogas e chegou a ser levado para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, também na zona norte, mas não resistiu.

Outros dois agentes também foram atingidos durante o confronto. Logo depois chegou a informação de que 24 suspeitos também foram mortos na operação.

Dois passageiros ficaram feridos na estação de Triagem do Metrô, que fica próxima ao Jacarezinho.

A operação policial mira a organização criminosa que seria responsável por homicídios, roubos, sequestros de trens e aliciamento de crianças para o tráfico de drogas.

A ação foi chamada de Exceptis e é coordenada pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

De acordo com a investigação, entre dezembro de 2020 e abril de 2021, os criminosos do Jacarezinho sequestraram trens da SuperVia, numa forma de atuação que é semelhante às empregadas por grupos terroristas, destaca a polícia. A apuração da DPCA indica ainda que os traficantes expulsam moradores de suas casas e alguns estão sendo mortos. Os corpos teriam sumido.

A investigação começou a partir de notícias recebidas pela unidade policial que levou à identificação — após a quebra dos dados telemáticos autorizados pela Justiça — de 21 integrantes do grupo criminoso. Todos eles, de acordo com a polícia, responsáveis por garantir o domínio territorial da região com o uso de armas.

A polícia identificou que existe, no Jacarezinho, uma estrutura típica de guerra, com centenas de "soldados" fortemente armados. A favela é considerada um dos quartéis-generais da maior facção criminosa do estado do Rio de Janeiro.