Eu Autorizo, Presidente: trabalhadores foram às ruas em apoio a Bolsonaro e contra lockdown

Eu Autorizo, Presidente! Este foi o nome das manifestações realizadas neste 1º de maio nas principais cidades do Brasil. Cansados de medidas restritivas que provocaram fechamento de empresas e demissões, os manifestantes deram uma resposta ao presidente Jair Bolsonaro, que recentemente disse que aguardava "uma sinalização" dos brasileiros para "tomar providências" contra medidas de restrição de circulação decretadas por governadores e prefeitos contra a covid-19.



Bolsonaro sobrevoou a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, para acompanhar a manifestação favorável ao seu governo, na manhã de hoje. Por volta das 11h, dois helicópteros da presidência deixaram o Palácio da Alvorada rumo ao Centro da Capital, retornando 40 minutos depois.



Em Brasília, o presidente acompanhou cerca de 5.000 pessoas que ocuparam o gramado do Congresso Nacional vestindo verde e amarelo. Pela manhã, os apoiadores fecharam ruas em ao menos oito estados e no Distrito Federal.



Nas redes sociais, deputados manifestaram seu apoio às manifestações.



“Em pleno 1º de maio a direita ocupa as ruas das principais cidades do país em apoio ao governo Bolsonaro”, tuitou a deputada federal Bia Kicis(PSL-DF).



No Rio de Janeiro, o deputado federal Luiz Lima, que participou da manifestação em Copacabana, disse: “Vamos juntos! Coisa boa de se ver é a união de boas pessoas, amantes do nosso Rio de Janeiro e do nosso Brasil.”.



Eduardo Bolsonaro, deputado federal e filho do presidente, foi às ruas da capital federal.



“Muito bom sentir essa energia e reabastecer as baterias para essa briga diária, ainda mais tirando o "monopólio" da esquerda sobre o dia do trabalhador. Sindicatos esquerdistas hoje lutam pelo "direito de não trabalhar". Estamos juntos!”, declarou o político em suas redes sociais.