Jornal inglês diz que abortar reduz violência

Em um texto claramente favorável ao aborto, o jornal inglês The Economist compartilha dados de um novo estudo apontando “que taxas mais altas de aborto diminuem o crime futuro em até 20%”.





Citando um artigo escrito pelos economistas John Donahue e Steven Levitt, a publicação diz que “Restringir o acesso a abortos significa que mais pais que não querem criar filhos seriam obrigados a fazê-lo. Uma pesquisa recente sugere que isso poderia reverter décadas de progresso feito na contenção do crime na América.”.





O jornal costuma atacar duramente políticos direitistas como Donald Trump e Jair Bolsonaro. 





A matéria chega a dizer que “Estudos anteriores também mostraram que crianças nascidas de mulheres que queriam um aborto, mas não conseguiram fazê-lo, tinham uma propensão muito maior a se tornarem criminosas e tinham perspectivas de vida mais pobres do que aquelas que nasceram de pais preparados e dispostos a criá-las”, acrescenta o texto do The Economist.





Enquanto a velha imprensa tenta impulsionar a narrativa a favor do aborto, uma onda pró-vida segue em expansão nos Estados Unidos. Prova disso é o filme pró-vida Unplanned, que foi um sucesso de bilheteria nos EUA – isso mesmo depois de sofrer boicote da grande mídia americana.