Homens armados invadem culto na Nigéria. Um cristão foi morto e 4 sequestrados Radicais armados da etnia Fulani invadiram um culto de domingo de uma igreja batista na Nigéria, matando uma pessoa, ferindo outra e sequestrando quatro mulheres, enquanto a violência se espalha no estado de Kaduna. 

Charity Musa, Rose Zacharia, Alheri Bala e Liatu Zakka, uma viúva cujo marido foi assassinado em um ataque anterior, foram as quatro mulheres sequestradas durante o culto na Igreja Batista Haske na aldeia Manini da Área do Governo Local de Chikun, de acordo com a Organização de direitos humanos norte-americana baseada no reino Chrisitan Solidarity Worldwide.

Fontes afirmam que homens fortemente armados mataram o trabalhador da Saúde Zacharia Dogon Yaro e feriram Shehu Haruna. 

Autoridades do governo confirmaram os ataques. 

“A investigação preliminar realizada até agora revelou que quatro pessoas estão desaparecidas, o que levanta a suspeita de que possam ter sido sequestradas pelos bandidos”, disse o porta-voz do comando da polícia, Mohammed Jalige, à mídia nigeriana.

“Dois outros sofreram ferimentos à bala, a saber; Dr. Zakariya Doga Yaro, uma equipe do Ministério da Saúde do Estado de Kaduna vinculado ao Centro de Saúde Primária na vila de Rimi, Udawa, Chikun LGA e Shehu Haruna. "

Os grupos militantes ameaçam a todos, disse Gondwe, mas os cristãos enfrentam “tratamento particularmente ruim” dependendo de quem são os sequestradores.
“Se os cristãos caírem nas mãos de grupos armados que têm uma ideologia religiosa extremista, o perigo definitivamente aumenta”, explicou Gondwe. 
Os sequestradores frequentemente exigem dinheiro de resgate, o que se tornou uma indústria lucrativa na Nigéria. 

Depois de anos sem ser tratado de forma eficaz pelas autoridades, o perigo agora é generalizado. Gondwe disse que os ataques começaram por volta de 2011 e pioraram em 2015, quando o atual governo assumiu o controle. 

O estado de Kaduna, onde ocorreram os sequestros e ataques de domingo, tornou-se um "epicentro" para sequestros e sequestros em massa, apesar de ter 11 instalações militares no estado. Essa tendência levou ao deslocamento de dezenas de milhares de indivíduos no sul de Kaduna, disse ela. 

Só na semana passada, o estado Kaduna sofreu vários ataques e sequestros. 

Em 20 de abril, os agressores invadiram uma universidade particular no estado de Kaduna e sequestraram cerca de 20 alunos e três funcionários, o que resultou em algumas mortes, informou a CSW. 

Além disso, em 20 de abril, milicianos Fulani supostamente invadiram uma aldeia e sequestraram quase 70 pessoas.

Em 21 de abril, homens armados atacaram um hospital e sequestraram enfermeiras, apesar de sua proximidade com um posto de controle militar. 

Em 23 de abril, homens armados supostamente atacaram a Missão Unguwan, sequestrando oito pessoas, incluindo um líder da Igreja Adventista do Sétimo Dia. 

Em 26 de abril, a CSW relatou que homens armados invadiram um conjunto habitacional no estado de Kaduna e sequestraram duas mulheres como resgate. 

A seção estadual de Kaduna da Conferência Batista da Nigéria registrou que cerca de 35 membros foram mortos e 145 outros sequestrados somente neste ano, relatou o The News Nigeria.

A Nigéria, o país mais populoso da África, ocupa o 9º lugar na Lista de Vigilância Mundial da Portas Abertas para perseguição cristã em todo o mundo devido a um nível "extremo" de opressão islâmica.