YouTube tira do ar canal de pastor que oferecia ajuda a homossexuais Um pastor nigeriano pediu aos seus fiéis para "orar pelo YouTube" e não reagir com ódio ao fechamento de seu canal de vídeos, no qual ele alegava ajudar pessoas que quisessem ser libertas da homossexualidade.

"Ajudem-me a orar pelo YouTube", declarou o pastor TB Joshua na sua pregação de domingo, transmitida nesta segunda-feira (19) pela manhã no Facebook. "Orem por eles, temos que considerá-los amigos, devemos ser fortes".



Na semana passada, o YouTube excluiu o canal Emmanuel TV do pastor de La Synagogue Church Of All Nations (SCOAN), que contava com mais de 1,8 milhão de inscritos e 600 milhões de visualizações, após uma denúncia da associação britânica OpenSociety, acusando seus discursos homofóbicos.



No mesmo período, o Facebook também retirou vários vídeos de sua página, com 5,6 milhões de seguidores, porque infringiam o regulamento da empresa americana sobre "ataques a pessoas com base em suas orientações sexuais ou seu gênero".

Esta decisão provocou uma grande polêmica na Nigéria, onde a comunidade evangélica é muito poderosa e as igrejas possuem dezenas de milhões de fiéis.