Amazon volta atrás e libera venda de livro que ajuda pais a livrarem os filhos do “culto do gênero”

A Amazon, gigante do comércio eletrônico, decidiu voltar atrás e vai liberar a venda de um livro dedicado a pais que buscam respostas para filhos que passam por “disforia de gênero”, condição na qual o indivíduo não se identifica com suas características sexuais. A multinacional também pediu desculpa à autora da obra, admitindo que a remoção do catálogo foi um “erro”.

O livro ‘Desist, Detrans e Detox: Livrando Seu Filho do Culto do Gênero’ foi removido das prateleiras virtuais pela Amazon apenas seis dias após entrar no catálogo. A informação foi revelada pelo grupo estadunidense ‘Partners For Ethical Care’ (PEC), que significa ‘Parceiros pelo Cuidado Ético”. O grupo defende o fim da medicação antiética de crianças pela indústria do gênero e foi cofundado por Maria Keffler, autora do livro banido pela Amazon.

De acordo com o PEC, nem Maria nem a editora foram sequer contatadas antes da remoção, o que causou grande estranhamento. Apesar do pedido de desculpas enviado pela empresa após a reativação da venda do produto, a ação levantou suspeitas sobre a possível tentativa de censurar a obra e, consequentemente, um possível apoio da Amazon ao transgenerismo entre as crianças.

No começo do ano, a Amazon já havia recolhido um livro do autor Ryan Anderson, que representa uma resposta ao movimento transgênero. Embora o autor tivesse a chancela de pesquisadores respeitados, entre eles especialistas em psicologia, médica ética, neurologia e direito, Ryan acredita que a pressão da mídia tradicional americana levou à censura da obra. Em nota, a Amazon informou que “decidiu não vender livros que enquadrem a identidade LGBTQ+ como desordem mental”.

De acordo com Ryan Anderson, “todos concordam que a disforia de gênero é uma condição séria que causa grande sofrimento, porém, existe um debate, que a Amazon está tentando censurar, sobre a melhor forma de tratar os pacientes”. Ainda segundo o autor, a empresa “está usando seu poder massivo para distorcer o mercado de ideias e enganando seus próprios consumidores no processo”.