Em visita surpresa à igreja, Bolsonaro volta a criticar decisão do STF sobre fechamento de templos Em visita a uma igreja Assembleia de Deus do Ministério Madureira em São Sebastião, no Distrito Federal, neste sábado (10), o presidente Jair Bolsonaro recebeu orações de um grupo de irmãs. Ele também voltou a criticar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que permitiu que governadores e prefeitos estabelecessem medidas de enfrentamento da pandemia independentes do governo federal.

Bolsonaro chamou de "absurdo dos absurdos" a decisão da Corte que permitiu que governadores e prefeitos vetem a realização presencial de cultos e missas.

"Lamento superpoderes que o Supremo Tribunal Federal deu a governadores e prefeitos para fechar inclusive salas, igrejas, de cultos religiosos. É um absurdo dos absurdos. É o artigo quinto da Constituição. Não vale o artigo quinto da Constituição, não tá valendo mais, tá valendo o decreto do governador lá na frente", declarou.

Ainda de acordo com o presidente, as restrições ao comércio impostas pelos governadores é uma forma de "empobrecer a população para depois dominá-la". Segundo Bolsonaro, ele tem o "poder para, numa canetada, fazer o lockdown no Brasil todo", mas afirmou que isso não será feito. "O nosso Exército não vai para a rua obrigar o povo a ficar em casa."

Bolsonaro ainda afirmou que, por causa de medidas mais restritivas de circulação implementadas por parte dos governadores e prefeitos, daqui a pouco "não vai ter arrecadação" para pagar os salários de servidores públicos.