Gilmar Mendes deve transferir para o plenário do STF a decisão sobre realização de cultos
O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes deverá, hoje (05), tomar decisões em dois processos que contestam a ordem do governo de São Paulo de proibir a presença de público em cultos religiosos durante a fase mais crítica da pandemia da Covid-19. Em seguida, Mendes deverá enviar os casos para o plenário do STF.

Gilmar Mendes tem se posicionado contrário à liberação de missas e cultos presenciais pelo país.

No sábado (03), outro ministro do STF, o Nunes Marques, liberou a participação de fiéis em cerimônias religiosas. A decisão foi válida para todo o país, mas alguns prefeitos e governadores reclamaram.

“Concluo ser possível a reabertura de templos e igrejas, conquanto ocorra de forma prudente e cautelosa, isto é, com respeito a parâmetros mínimos que observem o distanciamento social e que não estimulem aglomerações desnecessárias”, disse Nunes Marques em sua decisão.

Em Belo Horizonte/MG, por exemplo, o prefeito Alexandre Kalil se manifestou contra a decisão e foi intimado pelo STF.

No Rio de Janeiro, a Constituição ainda é respeitada. E o direito à liberdade de culto, mantido.