Hemorio conclui parte dos estudos com plasma convalescente

O Hemorio concluiu parte dos estudos para utilização do plasma convalescente no tratamento de pessoas com a Covid-19. Dados preliminares apontaram que a técnica é eficiente nos pacientes em estágios iniciais de infecção, ao neutralizar o vírus. Até o momento, mais de 300 pessoas fizeram transfusão com plasmas doados no instituto, seja no âmbito de estudos clínicos ou em utilização compassiva (utilização em tratamento humanitário sem ser em um projeto de pesquisa).

O procedimento consiste em infundir o plasma - parte do sangue que contém anticorpos - colhido de pacientes curados, selecionados por terem altos teores de Igg anti-coronavírus, em pacientes com Covid-19.

Bruno Libman, um dos pacientes que passaram pelo procedimento, conta como a experiência o ajudou na recuperação.

- Após minha infecção, meu quadro piorou e fui parar na UTI, ficando muito debilitado. Para auxiliar no tratamento, fui convidado a participar das pesquisas com o uso do plasma e, felizmente, meu quadro mudou de forma bastante significativa – diz Bruno.

Expectativa de melhora da covid-19

O diretor do Hemorio, Luiz Amorim, explica que cada plasma coletado pode fornecer tratamento para até três pessoas. O plasma doado pelos pacientes curados fica na unidade e é distribuído mediante solicitação dos hospitais que tratam casos de Covid-19.

- A expectativa é que haja melhora da evolução da doença e redução da mortalidade nos pacientes que recebam a terapia, desde que esta não seja feita em fase avançada da doença, além de os riscos serem praticamente zero. Vamos continuar as pesquisas para tentar identificar os grupos nos quais o plasma estaria mais indicado - disse o diretor do Hemorio.





*Governo do RJ