Vencedor do projeto arquitetônico do Museu da Bíblia de Brasília ganhará R$ 122 mil O governo do Distrito Federal lançou um concurso para escolher o projeto de arquitetura que vai guiar a construção do Museu Nacional da Bíblia, em Brasília. O edital, publicado no Diário Oficial de quarta-feira (24), prevê a premiação de R$ 122 mil para o autor da proposta vencedora.

Segundo as regras, o projeto preliminar e os documentos de inscrição devem ser enviados pelo site do concurso, que ainda não está disponível, a partir do dia 1º de maio. O prazo será até 1º de junho. A iniciativa é da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec-DF).

Podem participar pessoas físicas ou jurídicas constituídas por arquitetos, urbanistas ou engenheiros civis diplomados e habilitados nos órgãos profissionais de cada área de atuação.

Segundo o GDF, o museu vai ser erguido em lote público de 7,5 mil metros quadrados, nas proximidades da Estrada Parque Indústrias e Abastecimento (Epia) e da antiga Rodoferroviária de Brasília, na ponta do Eixo Monumental. O custo total é de R$ 26 milhões.

Entretanto, a construção – que ainda nem saiu do papel – já foi alvo de um impasse judicial. No ano passado, a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) ingressou com uma ação na Justiça para barrar as obras, alegando que a medida "constitui afronta à liberdade religiosa e à laicidade do Estado". Por outro lado, o juiz que analisou o caso negou o pedido de liminar.

Os projetos serão julgados por uma comissão formada por arquitetos e museólogos. Entre os critérios para seleção estão inovação, adequação às normas e sustentabilidade socioambiental. As propostas devem conter pelo menos os seguintes itens:

• Memorial descritivo e justificativo;
• Planta de implantação do projeto no terreno;
• Plantas de todos os níveis e de cobertura;
• Cortes e elevações em conformidade com o nível de estudo preliminar;
• Perspectivas ou renderizações, entre outros.

Além disso, os autores devem ser habilitados pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) ou Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea). Os participantes também devem morar no Brasil.