Pastor promove culto em ônibus para protestar contra fechamento de igrejas em São Paulo Com a proibição dos cultos presenciais em São Paulo, o pastor Eduardo Silva, da Igreja Evangélica Ministério Aviva, resolveu promover um culto em um ônibus, um dos poucos lugares onde é permitida a circulação de pessoas.

Um vídeo do culto rodoviário foi parar nas redes sociais. E a fala do pastor que mais ganhou destaque diz que "já que nossa igreja não pode estar aberta, nós temos um ônibus para fazer nosso culto e aqui nós estamos, porque ninguém cala um adorador".

Nas imagens os fiéis aparecem medindo a temperatura e passando álcool gel nas mãos antes de entrar no micro-ônibus fretado para o culto. Um homem com um colete escrito "fiscal do povo" filma a fila e diz que "não vão deixar de adorar a Deus".

O fiscal do povo é Wellington de Paulo Ribeiro, ex-candidato a vereador pelo do PSL em 2020. "Isso aqui é uma loucura, primeira igreja do Brasil e do mundo que está fazendo culto dentro de um ônibus. Este pastor aqui não sei se é ele ou sou eu quem sou maluco", se diverte.

Wellington de Paulo, que transmitiu o culto em tempo real pelas suas redes sociais diz que "se aglomeração em transporte público pode, culto no transporte também não é proibido".

O culto no ônibus foi uma espécie de protesto contra do Governo João Doria que fechou templos religiosos e outros estabelecimentos para tentar conter o avanço da Covid-19, mas não garantiu um transporte seguro aos passageiros. Diariamente, trens e metrôs circulam superlotados nas grandes cidades.

São Paulo está na fase restrita da pandemia desde o último dia 11. O governador João Doria (PSDB) anunciou medidas mais duras de isolamento até o dia 30 para frear o aumento de novos casos, internações e mortes pelo coronavírus e conter a sobrecarga em hospitais de todo o estado.