Tuberculose ainda é realidade no Brasil; doença tem relação com a Covid-19?

Nesta quarta-feira, 24 de março, é observado o Dia Mundial da Tuberculose. A data foi escolhida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e marca a descoberta do bacilo causador da doença em 1882, que, apesar de ser antiga, segue representando um importante problema de saúde pública. Em tempos de Covid-19, as doenças respiratórias estão ainda mais sob holofote, o que torna importante entender quais são as relações entre elas.

Para saber mais sobre o assunto, o Melodia News ouviu hoje o Dr. Celso Padovesi, pneumologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. Confira a conversa:

Existem sinais característicos que indicam que uma pessoa possa ter tuberculose?

Dr. Celso Padovesi:
Sim, os principais sintomas de tuberculose é a tosse que persiste por mais de três semanas, mas geralmente, quando o paciente procura o médico, ele já está com tosse há meses. Outros sintomas comuns são a febre, geralmente baixa, que costuma vir no fim da tarde ou à noite, e também são comuns o suor noturno e a perda de peso. O paciente que apresentar pelo menos dois desses sintomas deve procurar o médico o quanto antes, pois é uma suspeita de tuberculose.

Como ocorre a transmissão da tuberculose? As pessoas podem se prevenir contra a doença?

A transmissão da tuberculose se dá de pessoa para pessoa, por via inalatória, ou seja, a pessoa contaminada libera no ar os bacilos da tuberculose que, quando forem inalados por uma outra pessoa, podem infectar e causar a tuberculose. A chance de contaminação é maior para pessoas que convivem diariamente com alguém com tuberculose, especialmente em ambientes fechados, como as pessoas que vivem na mesma casa. É difícil pegar a tuberculose de alguém na rua, geralmente se pega de alguém do seu convívio próximo.

A melhor prevenção é diagnosticar as pessoas com a doença e tratá-las, porque são as pessoas doentes que infectam as outras pessoas. Existe a vacina contra a tuberculose, que é a BCG, mas essa vacina só protege as crianças contra as formas graves da doença, que podem acontecer em crianças pequenas quando contraem a doença. Então, essa vacina não tem uma proteção eficaz para adultos, por isso ela só é aplicada na infância, logo no nascimento.

A contração da tuberculose está relacionada com más condições de higiene? A falta de saneamento básico, por exemplo, pode ser um fator de risco para a contaminação?

Não, a tuberculose é mais comum em populações mais pobres, em populações com condições de moradia inadequadas, porém, os fatores que fazem a tuberculose ser mais comum nessas populações não são as más condições de higiene nem a falta de saneamento básico, mas, principalmente, o acesso limitado aos cuidados de saúde e a maior aglomeração de pessoas em moradias pequenas, fazendo, então, com que a contaminação aumente muito quando tem uma pessoa doente. Numa única residência, uma pessoa doente, onde convivem 10, 15 pessoas, a chance dessas pessoas todas se contaminarem é muito maior.

Após um diagnóstico positivo, como é feito e qual é o grau de sucesso do tratamento?

O tratamento é feito com antibióticos, por via oral, durante um período mínimo de seis meses, mas alguns casos podem precisar de mais tempo. Se o paciente usar o tratamento corretamente, a chance de cura completa em seis meses é muito alta, acima de 90%. Os pacientes que não alcançam cura nesse período precisam ser avaliados por uma equipe especializada a fim de definir qual é o melhor manejo.

A tuberculose, sendo também uma doença respiratória, pode ser confundida com a Covid-19? Além disso, existe relação de agravamento em quem é acometido pelas duas doenças?

Dificilmente. Os sintomas de Covid-19 são mais agudos e intensos, ou seja, em poucos dias os sintomas pioram bastante, isso naqueles pacientes que desenvolvem a forma grave da doença. Já na tuberculose, os sintomas evoluem lentamente, ao longo de semanas a meses. Agora, se um paciente com uma tuberculose ativa contrair a Covid-19, a chance de desenvolver complicações respiratórias é maior, como outras doenças respiratórias crônicas, por isso esses pacientes devem tomar cuidados adicionais para evitarem a infecção pelo coronavírus.

Qual é a situação da tuberculose hoje no Brasil, após tantos anos de combate?

O Brasil figura entre os 20 países com mais casos de tuberculose no mundo. Em 2018, a estatística mais recente que eu tive acesso, o Brasil teve 76 mil novos casos de tuberculose e ocorreram 4,5 mil mortes por tuberculose, sendo naquele ano a quarta causa de morte por doenças infecciosas. Então, isso mostra que a tuberculose no Brasil ainda é um importante problema de saúde pública.