Rio e Niterói terão medidas ainda mais rígidas durante 10 dias

Os prefeitos do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), e de Niterói, Axel Grael (PDT), confirmaram nesta segunda-feira (22) que as duas cidades vão adotar regras de isolamento ainda mais rigorosas para conter a Covid-19.



"Ninguém aqui é negacionista da tragédia social ou dos desafios econômicos." reforçou o prefeito Eduardo Paes na coletiva de medidas de proteção à vida.



Ele ainda fez um pedido à população: “O apelo que eu faço aos cariocas é: temos que cuidar do próximo!"



Durante os 10 dias (26 de março a 4 de abril) de vigência dos novos decretos só estarão autorizados a funcionar os serviços essenciais.



As praias permanecem fechadas para banho ou permanência na areia, sendo tolerado apenas a prática de exercícios individuais.



O prefeito de Niterói explicou que o objetivo foi tomar medidas integradas com o Rio, cidade que recebe diariamente um grande contingente de trabalhadores niteroienses. “Procurei o prefeito Eduardo Paes porque Niterói já ia tomar medidas de restrições e achei importante que fizéssemos isso de uma forma integrada. Nossas cidades não são ilhas, sofrem da falta de ação das cidades vizinhas, que geram sobrecarga na nossa rede hospitalar. Estamos vivendo o momento mais crítico da trajetória da pandemia, nos preocupa demais. As coisas estão acontecendo muito rápido”, disse Grael.



Os decretos serão publicados nos respectivos Diários Oficiais dos municípios de Niterói e do Rio, com o detalhamento das medidas.



Não poderão abrir:



- lojas de comércio não essencial;



- shoppings;



- bares, lanchonetes e restaurantes (só podem funcionar no esquema drive thru ou entrega);



- boates;



- danceterias;



- museus;



- galerias;



- bibliotecas;



- academias de ginástica;



- salões de cabelereiro;



- clubes;



- quiosques;



- parques de diversão;



- escolas;



- universidades;



- creches;



- jogos de futebol profissional.



Poderão funcionar:



- supermercado;



- farmácia;



- transporte;



- comércio atacadista;



- pet shop;



- lojas de material de construção;



- locação de carros;



- serviços funerários;



- bancos;



- serviços médicos;



- Mecânicas e loja de autopeça;



- Hotelaria, com serviço de alimentação restrito a hospedes.



 



(Foto: Reprodução Prefeitura do Rio)