Treinador de futebol americano, proibido de orar com os alunos antes dos jogos, é demitido

Um painel de três juízes do Tribunal de Apelações dos Estados Unidos para o “Nono Circuito” decidiu contra um treinador de futebol americano que foi demitido de seu emprego por orar em campo após os jogos.

Por anos, o técnico de futebol americano Joseph Kennedy entrou com uma ação legal contra o distrito escolar de Bremerton, no estado de Washington, por suspendê-lo devido às suas práticas de oração.

Em uma opinião unânime divulgada na quinta-feira (18), o painel disse que a prática de Kennedy de orar após os jogos era uma violação da Cláusula de Estabelecimento da Constituição dos Estados Unidos.

O First Liberty Institute, um escritório de advocacia com sede em Plano, Texas, que está ajudando a representar Kennedy, denunciou a opinião do painel e prometeu apelar da decisão.

“Proibir os treinadores de orar apenas porque podem ser vistos é errado e contradiz a Constituição”, afirmou Mike Berry, conselheiro geral da First Liberty.

“A opinião de hoje ameaça os direitos de milhões de americanos que simplesmente desejam exercer livremente sua fé, sem medo de perder o emprego. Planejamos apelar e esperamos que a Suprema Corte conserte esse erro. Esta luta está longe de terminar. ”

O “Americanos Unidos pela Separação da Igreja e do Estado”, um grupo com sede em Washington, que participou de argumentos orais em nome do distrito escolar, apoiou a opinião do painel.  

“As escolas públicas devem oferecer um ambiente inclusivo e acolhedor a todos os alunos, independentemente de suas crenças religiosas. Isso inclui garantir que os alunos atletas não se sintam compelidos a orar ou participar de atividades religiosas para garantir seu lugar na equipe ”, afirmou o Diretor Jurídico da Americanos Unidos, Richard B. Katskee.