Visão Mundial leva ajuda a 59 milhões de pessoas em todo o mundo durante a pandemia

Mais de um ano se passou desde que a pandemia de coronavírus foi declarada. Nesse período, organização de ajuda evangélica Visão Mundial fez parceria com dezenas de milhares de líderes religiosos e comunidades em todo o mundo para alcançar 59 milhões de pessoas por meio de esforços de alívio e prevenção de vírus.

Não muito depois que a Organização Mundial da Saúde declarou a pandemia de Covid-19 em 11 de março de 2020, a Visão Mundial , uma organização de ajuda interdenominacional que opera em quase 100 países, lançou a maior resposta global em seus 70 anos de história. 

Erica Van Deren, gerente de programa sênior da equipe de resposta de emergência da Visão Mundial, disse ao The Christian Post que, enquanto o mundo estava fechando, a Visão Mundial continuava trabalhando, pois esse é o propósito que Deus concedeu à organização e sua equipe. 

O presidente e CEO da Visão Mundial dos EUA, Edgar Sandoval, disse que a resposta não teria sido possível sem a parceria de igrejas e pastores. A Visão Mundial fez parceria com mais de 124.000 líderes religiosos por meio de redes já formadas a partir da resposta ao Ebola, HIV / AIDS e vírus Zika no passado.

Só nos Estados Unidos, a Visão Mundial trabalhou com 1.300 igrejas e doou 3 milhões de caixas de alimentos frescos para o programa Agricultores para Famílias do Departamento de Agricultura dos EUA . A organização também forneceu 2,5 milhões de unidades de equipamentos de proteção individual e impactou cerca de 500 mil famílias ao fornecer itens essenciais para emergências.

Van Deren disse que esta é a primeira vez que a instituição coordena um esforço de resposta em todos os países em que opera.

Em todo o mundo, os países enfrentam uma fome crescente. E as Nações Unidas relataram no ano passado que a fome ligada ao vírus causou a morte de mais 10 mil crianças por mês durante o primeiro ano da pandemia. O Programa Mundial de Alimentos alertou que até 270 milhões de pessoas podem ficar à beira da fome. 

Van Deren disse que a Visão Mundial frequentemente serve como a “ponte” entre a Organização Mundial da Saúde ou a ONU para levar os recursos aos necessitados.

O Banco Mundial previu que a pandemia poderia adicionar 150 milhões de pessoas à categoria de pobreza extrema em 2021. O desemprego aumentou e a pobreza extrema está aumentando pela primeira vez em 22 anos. As estatísticas da Visão Mundial também mostram que o casamento infantil e a violência contra as mulheres estão aumentando devido à pandemia.

Os esforços da Visão Mundial alcançaram mais de 26 milhões de crianças no ano passado.

Um ano depois, a Visão Mundial fez a transição de seu foco de resposta à pandemia para encorajar a aceitação da vacina em todo o mundo e abordar os efeitos secundários da pandemia.

Os planos incluem aumentar a assistência às famílias que enfrentam problemas de saúde, ajudando a restaurar os meios de subsistência das famílias e informando as comunidades sobre as vacinas. Van Deren disse que uma grande parte dos esforços da Visão Mundial no próximo ano será ajudar as famílias a “reconstruir” suas vidas.

A Visão Mundial continuará a utilizar parcerias com líderes religiosos para alcançar as comunidades e promover a vacinação.

Apesar do impacto que a pandemia teve, Sandoval disse que a Visão Mundial tem esperança para o futuro e as vidas que serão salvas no próximo ano.

“Mesmo enquanto choramos, olhamos para a frente com esperança de que muitas vidas serão salvas com o lançamento da vacina. Agora, enquanto nos concentramos em levar a vacina ao maior número possível de pessoas aqui nos Estados Unidos, também não devemos esquecer das pessoas que vivem em alguns dos países mais pobres do mundo, cada um deles precioso aos olhos de Deus. A menos que consideremos seu bem-estar tão importante quanto o nosso, a Covid-19 continuará a ser uma ameaça, aqui e em qualquer lugar. ”



*com informações The Christian Post