Evangélicos pró-vida de Biden dizem que se sentem 'usados ​​e traídos' pelo presidente Mais de 10 líderes e acadêmicos afiliados à iniciativa “Evangélicos Pró-vida para Biden” expressaram decepção com o apoio do presidente dos Estados Unidos a uma medida para remover um estatuto legal que limita o financiamento do aborto pelos contribuintes.

O governo Biden declarou recentemente apoio a um projeto de lei de alívio da Covid-19 que revogaria a “Emenda Hyde”, que proíbe o financiamento federal do aborto na maioria dos casos.

Em um comunicado publicado no site Pró-vida Evangélicos para Biden, os líderes e estudiosos argumentaram que “se sentem usados e traídos.” Mas, eles “não têm intenção de simplesmente assistir a esse tipo de esforço acontecer”.

“Muitos evangélicos e católicos correram riscos para apoiar Biden publicamente. O presidente Biden e os democratas precisam honrar sua palavra ”, diz a declaração. 

“Apelamos ao presidente Biden para honrar seu compromisso conosco e exigir imediatamente que a Câmara dos Representantes aplique a linguagem Hyde ao American Relief Package.”

Os evangélicos pró-vida para Biden declararam que “não é hora para uma mudança radical na política de aborto de longa data” e apelaram a certos democratas no Congresso que “exigissem a inclusão da Emenda Hyde”. Eles alertaram que se “isso não for feito, levantará a questão de se ainda somos ou não bem-vindos no Partido Democrata”.

“Como líderes pró-vida na comunidade evangélica, apoiamos publicamente a candidatura do Presidente Biden com o entendimento de que haveria engajamento [conosco] na questão do aborto e particularmente na Emenda Hyde”, explica a declaração. “A equipe Biden queria falar conosco durante a campanha para obter nosso apoio, e nós o demos com a condição de que houvesse um diálogo ativo e soluções de base comum sobre a questão do aborto. Não houve diálogo desde a campanha. ”