Pregador de rua será indenizado após ser preso por anunciar o Evangelho publicamente Cristãos de todo o mundo comemoram a vitória do pastor Oluwole Ilesanmi, 64 anos, que será indenizado em £ 2.500 por ter sido preso em Londres, em fevereiro, acusado de “quebra da paz”. Ele anunciava o Evangelho pelas ruas, quando teve sua Bíblia confiscada e foi levado por policiais.
Um vídeo do pastor sendo preso no início do ano viralizou e já foi visto por mais de três milhões de pessoas.

Ele foi preso depois que muçulmanos da região o acusaram de “islamofobia”. O pastor disse que seu comentário foi feito pelo ponto de vista cristão, sem ódio contra os muçulmanos.

Nas imagens do vídeo no momento de sua prisão, um oficial diz ao Sr. Ilesanmi: “Ninguém quer ouvir isso. Eles querem que você vá embora”.

Quando os oficiais confiscaram sua Bíblia, Ilesanmi pôde ser ouvido alegando: “Não leve minha Bíblia embora”.

Um oficial então respondeu: “Você deveria ter pensado nisso antes de ser racista”.

O pastor Oluwole disse: “Fico feliz que a polícia tenha reconhecido que não era certo prender-me por pregar o Evangelho. Foi traumático ser preso e ter sido deixado muitos quilômetros longe de casa. Mas Deus sempre esteve comigo e, embora eu tenha sido deixado em um local desconhecido, eu estava determinado a voltar para minha cidade e começar a pregar o Evangelho”.

“Quando cheguei ao Reino Unido, era um país cristão livre, mas agora pregadores como eu estão sendo presos por falar a verdade. Os cristãos e a liberdade de expressão devem ser protegidos, especialmente pelo governo e pela polícia”, disse ele.

O pastor espera que este reconhecimento de culpa possa levar mais cristãos a serem protegidos e que a polícia tenha uma visão maior do que significa proclamar legalmente a Palavra de Deus nas ruas de Londres.

Após a prisão, uma petição foi lançada pela, Christian Concern, que tem apoiado o pastor Ilesanmi, pedindo uma investigação pelo Ministério do Interior sobre a orientação da polícia e treinamento para todos os oficiais do país sobre o direito de pregar em público. O documento teve mais de 40 mil assinaturas.

O Christian Legal Center irá entregar uma carta para o Comissário da Polícia Metropolitana, pedindo que os equívocos sobre a liberdade de pregação nas ruas sejam abordados por meio de treinamento especializado.

“Muitos pregadores de rua se viram em apuros. Isso inclui ser preso e processado, apesar de a lei reconhecer seu direito de manifestar e expressar suas crenças religiosas”, diz a carta.

“Nenhum dos clientes que assistimos foi condenado; portanto, isso pode sugerir que o sistema de justiça criminal esteja funcionando adequadamente; no entanto, o problema é que muitos policiais simplesmente não entendem a interação entre a legislação de ordem pública e o direito à liberdade de discurso.”

Andrea Williams, diretora executiva do, Christian Legal Center, disse que “ações tangíveis” são necessárias para aqueles que estão no poder para impedir a prisão de mais pregadores de rua.

“A pregação de rua tem uma longa e honrada história no Reino Unido. Em muitos aspectos, é simbólica do tipo de liberdade que temos valorizado nesta nação”, disse ela.

“No entanto, apesar das leis que teoricamente apoiam a liberdade de pregar em público, na prática, os policiais são rápidos em silenciar os pregadores na primeira sugestão de alguém que se sinta ofendido”, concluiu.