Malafaia reage a veto de Dória a lei que reconhecia atividade religiosa como essencial

O pastor Silas Malafaia reagiu, nesta quinta-feira (26), ao ato do governador do estado de São Paulo, João Dória (PSDB), que vetou um projeto de lei que reconhecia a atividade religiosa como essencial. “Nas eleições vamos dar uma resposta”, escreveu o pastor.

O Projeto de Lei 299/2020, dos deputados Gil Diniz (sem partido) e Gilmaci Santos (REPUBLICANOS), buscava reconhecer as atividades religiosas realizadas em templos e fora deles como atividades essenciais. Dessa forma, o trabalho realizado nas igrejas não poderia ser interrompido durante a pandemia.

“A atividade religiosa, garantida pela Constituição Federal, é essencial, pois como sabemos, a fé exerce papel fundamental como fator de equilíbrio psicoemocional à população. Sua função tem papel indiscutivelmente relevante no atendimento e promoção da dignidade da pessoa humana, princípio de direito fundamental do ser humano. Além da questão da fé, as instituições religiosas prestam serviços sociais importantes que, em momentos de crise, se tornam essenciais. Temos visto nos últimos tempos em todas as catástrofes naturais, os templos religiosos participarem colaborativamente na arrecadação e distribuição de alimentos, água, roupas e itens de higiene pessoal” – justificou o deputado Gil Diniz.

O projeto foi aprovado pelo plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) em dezembro do ano passado, mas, nesta semana, foi vetado pelo governador do estado. Em sua rede social, o pastor Silas Malafaia compartilhou uma publicação da deputada federal Carla Zambelli que noticiava o veto e escreveu:

“Não só as igrejas evangélicas, a contribuição das religiões em tempo de pandemia no apoio psicológico, simplesmente impagável. Nas eleições vamos dar uma resposta a Dória.”