Menino morre no AM após médico aplicar quatro anestesias para enfaixar braço quebrado

Um menino de 6 anos morreu após receber quatro anestesias de um médico que enfaixava seu braço, no último sábado (20). A denúncia foi feita pela mãe da criança, Sandy Freitas, que afirmou que assistiu a todo o processo.

Ela conta que Saimon Gabriel deu entrada no Hospital Dr. Hamilton Cidade, na cidade de Manicoré, interior do Amazonas, após se ferir em um acidente de moto com o pai, que também foi internado. Com uma fratura no braço, o garoto recebeu a primeira assistência na quinta-feira (18), mas até o sábado não havia tido o membro imobilizado.

Sandy conta que por volta de 21h30 daquele dia, a equipe médica deu início ao procedimento:

"Eu tinha ido pegar água para o meu marido, quando vi que eles levavam o meu filho na maca. E aí ele gritou por mim: 'Mamãe, mamãe!'. Eu pedi para ele se acalmar que era o procedimento para ajeitar o bracinho dele e que logo ele estaria de volta. Pedi para o médico deixar eu entrar na sala de procedimentos para acalmar meu filho e ele permitiu" – relatou.

A mãe do menino conta que o médico aplicou três anestesias locais e, ao ver que a criança continuava sentindo dor, aplicou uma quarta anestesia, desta vez, geral. De acordo com Sandy, os sinais vitais de Saimon começaram a se alterar:

"Vi o pezinho dele ficar branco, branco. Depois toquei no coração dele, senti ficando fraco e quando eu falei para o médico, ele verificou que a boca dele estava ficando roxa e aí começou a fazer uma massagem para tentar reanimá-lo" – contou a mãe.

O garoto foi, então, levado para uma outra sala para ser entubado, onde a mãe não teve acesso. Uma hora depois, Sandy recebeu a notícia da morte do filho. Ela diz que espera justiça:

"Meu filho era um menino alegre. Todo mundo o conhecia. Pode vir aqui e perguntar. As enfermeiras que o atenderam sempre o viam radiante, feliz, confiante que tudo ia dar certo. Eu quero justiça pelo meu filho. Meu filho merece justiça".

Sandy registrou um boletim de ocorrência e disse que pretende levar o caso à justiça.