Witzel pede para que traficantes troquem o fuzil pela Bíblia

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, tem sido figura constante na Assembleia de Deus dos Últimos Dias, liderada pelo pastor Marcos Pereira.

No culto de ontem (22), Witzel mudou o discurso feito antes de ser batizado. Se ele dizia que se “algum bandido fosse visto com o fuzil na mão era para mirar na cabecinha”, agora a mensagem é de paz e amor.

“Essa frase viralizou e eu quero mudar essa frase hoje, troque o fuzil pela Bíblia porque nós iremos te salvar. Vamos estar em todas as cadeias do Rio de Janeiro. Vai ter Bíblia, vai ter salvação, é o novo estado do Rio de Janeiro. É o milagre neste estado”, disse em sua pregação.

Witzel é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ser chefe de um esquema de corrupção montado no Palácio Guanabara. Ele é suspeito de desviar recursos destinados à saúde e ao combate à pandemia da Covid-19 no estado.

No dia 11 de fevereiro, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça decidiu aceitar a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o Witzel, na esteira da Operação Tris in Idem. Os ministros acompanharam, por unanimidade, o voto do relator, Benedito Gonçalves, que considerou que os investigadores reuniram provas suficientes para embasar as acusações e justificar o recebimento da denúncia.

"Os elementos, considerados no conjunto, e não isoladamente, constroem um lastro probatório necessário à instauração da ação penal", observou ele. "Usaram a pandemia em benefício próprio. Talvez seja a coisa mais terrível nesse momento de calamidade", criticou a subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo.