Pais confrontam escola após professora ler livro sobre menino trans para crianças



Uma escola pública dos Estados Unidos (EUA) está tendo que se explicar para pais e responsáveis depois que uma professora leu um livro sobre um menino transgênero para alunos do terceiro ano.

O caso aconteceu no colégio Horizon Elementary, no estado de Utah, no Oeste dos EUA. A professora teria lido o livro ‘Call Me Max’ (Me chame de Max), que conta a história de uma menina que se identifica como menino e quer ser chamada pelo nome masculino por seus professores. Grupos LGBT defendem a obra como uma “introdução ao que significa ser transgênero”.

De acordo com informações do ‘Salt Lake Tribune’, o livro teria sido levado por um dos estudantes, que pediu para que a professora fizesse a leitura na aula e foi atendido. A professora se recusou a responder algumas perguntas feitas pelos alunos, mas alguns deles foram pra casa com curiosidade e questionaram os pais. Os responsáveis, então, ficaram indignados e entraram em contato com o Distrito Escolar de Murray, que administra a unidade, para procurar explicações.

O Distrito enviou uma carta aos pais em que “reconhece e admite as preocupações” e afirma estar “comprometido a aprender a partir dessa experiência e fazer melhor”.

Joseph Backholm, especialista em assunto bíblicos e comportamento estratégico da ONG Conselho de Pesquisas da Família, comemorou a iniciativa dos pais em confrontarem a escola:

“Vale a pena porque, como pais, nós não estamos lutando por nossa reputação ou status social, mas estamos lutando pelas mentes e corações de nossas crianças.”

Essa não foi a primeira polêmica levantada por um livro LGBT sendo lido para crianças nas escolas do estado de Utah. Em 2012, um grupo de pais conseguiu que fosse removido das bibliotecas das escolas elementares do condado de Davis um livro fotográfico que mostrava um casal lésbico criando uma criança.