Igreja é autuada por aglomeração e divulga nota de esclarecimento A Força-Tarefa da prefeitura de Volta Redonda notificou e autuou nesta sexta-feira, dia 19, a igreja Assembleia de Deus, no bairro Laranjal. A instituição religiosa deverá apresentar à Secretaria Municipal de Fazenda (SMF) e à Vigilância Sanitária um termo de ajuste de conduta (TAC) para continuar em funcionamento.

De acordo com as informações da prefeitura, caso a igreja não cumpra com estas e outras determinações que ainda virão, poderá ser interditada. A fiscalização aconteceu após denúncias nas redes sociais. As imagens mostram superlotação do espaço e pessoas sem máscara.

Conforme o decreto municipal, as igrejas e templos religiosos de qualquer culto podem funcionar com capacidade de, no máximo, de 30%, com controle de acesso e saída para evitar aglomerações durante o entrada e saída no local.

O decreto também estabelece a higienização das mãos com álcool gel 70% ou outro tipo de sanitizante, uso de máscara e manutenção das portas e janelas abertas.

A Força-Tarefa que fiscaliza as medidas em vigor para combate e prevenção à covid-19 já interditou uma igreja no bairro Voldac e autuou outra no Retiro. No bairro Volta Grande IV, um Centro Espírita também foi autuado pela mesma razão.

Ainda de acordo com o governo municipal, a Força-Tarefa faz ações permanentes de orientação em todos os templos religiosos sobre a necessidade de seguirem as regras em vigor. Os telefones para denunciar irregularidades são: 156 (Central de Atendimento), 153 (Guarda Municipal), 190 Polícia Militar.

Nota de esclarecimento

A Central das Assembleias de Deus de Volta Redonda (Cedavre) divulgou uma nota esclarecendo que “desde o início das ações de enfrentamento do Covid-19, a instituição tem zelado pelo fiel cumprimento de todas as normas. Prova disso é que, até a presente data, não havia sido notificada ou autuada por infringir as regras”, diz o texto.

Ainda segundo a nota, o que aconteceu “foi um fato isolado e situação atípica em razão do feriado e, se compromete a continuar cumprindo integralmente as disposições presentes no Decreto do Poder Executivo”.

Siga-nos