Arcebispo católico diz para Joe Biden parar de se chamar de “devoto” enquanto apoiar o aborto

O Arcebispo Joseph F. Naumann, do Comitê de Atividades Pró-Vida da Conferência de Bispos Católicos dos EUA, afirmou, no último sábado (13), que o presidente estadunidense Joe Biden deveria parar de se chamar de "católico devoto" enquanto apoiar políticas de facilitação do aborto.

“O presidente [Biden] deveria parar de se definir como um católico devoto e reconhecer que suas visões sobre o aborto são contrárias à moral católica. Seria uma abordagem mais honesta para ele dizer que discorda da Igreja nessa questão importante e que ele está agindo contrariamente aos ensinamentos da Igreja” – defendeu o Arcebispo em entrevista ao ‘The Catholic World Report’.

Durante a campanha, Joe Biden utilizou sua relação com a fé para buscar votos entre os eleitores conservadores dos Estados Unidos. “Como cristãos, eu sei que há muito mais que nos une do que nos divide”, chegou a afirmar o agora presidente estadunidense. Entretanto, pouco depois de tomar posse na Casa Branca, Biden assinou uma ordem executiva que revogou a política de não-financiamento de grupos internacionais que advogam por ou realizam abortos.

Na época, o Arcebispo Naumann e o Bispo David J. Malloy, do Comitê de Justiça e Paz Internacional, emitiram comunicado conjunto reprovando a decisão:

“É muito triste que um dos primeiros atos oficiais do presidente Biden promova ativamente a destruição de vidas humanas em nações em desenvolvimento. Essa ordem executiva é irracional, viola a dignidade humana e é incompatível com os ensinamentos católicos.” – dizia um trecho da nota.

“Nós queremos que o presidente use seu mandato para o bem, priorizando os mais vulneráveis, incluindo as crianças que ainda não nasceram” – concluiu o Arcebispo Naumann.