Cristãos australianos rejeitam lei que proíbe orações contra Os líderes cristãos da Austrália estão preparados para resistir ao polêmico “Projeto de Lei de Proibição das Práticas de Mudança ou Supressão (Conversão) de Victoria”, que ameaça os pais com até 10 anos de prisão se eles não aceitarem a opção sexual de seus filhos e tentarem mudá-la através da oração, prática de libertação ou um exorcismo. A lei proibirá qualquer pessoa de ajudar alguém a superar atrações sexuais indesejadas, mesmo que diante de um pedido de oração.

A Igreja Presbiteriana da Austrália foi a primeira a levantar sua voz após a aprovação do projeto de lei pela Câmara Alta Vitoriana, com seu moderador Rev. Dr. Peter Barnes exortando seus ministros a permanecerem fiéis às Escrituras em todas as questões de moralidade sexual, incluindo homossexualidade e transgenerismo.

“A Lei de Proibição das Práticas de Mudança ou Supressão (Conversão) já foi aprovada pelas duas casas do parlamento vitoriano. Ela proíbe qualquer tentativa de mudar ou suprimir, ou induzir qualquer pessoa a mudar ou suprimir, sua orientação sexual ou identidade de gênero. A oração ou aconselhamento com o objetivo de mudar uma pessoa, mesmo a pedido dessa pessoa, são proibidos. Em suma, isso significa que a preferência sexual é protegida por lei, assim como a preferência de gênero de qualquer pessoa. Sexo homossexual não pode ser chamado de 'pecado', e um homem hoje pode reivindicar ser uma mulher amanhã ”, lamentou Barnes.

Uma legislação semelhante está prestes a ser aprovada em Nova Gales do Sul, no Sudeste da Austrália .

O autor Bill Muehlenberg exortou os cristãos a defenderem Cristo “independentemente das terríveis consequências” em seu popular blog, “CultureWatch”.
“Será esta finalmente a chamada de despertar que todos nós precisamos? Adivinha o que pessoal? A hora dos jogos acabou. Visto que os cristãos são o principal grupo visado aqui, precisamos estar cientes do que realmente está acontecendo. Ou nos comprometemos a defender Cristo... ou renunciamos totalmente a nossa fé e admitimos que tudo não passou de uma farsa. Devemos escolher agora”, escreveu Muehlenberg.

Antes da aprovação do projeto de lei, o arcebispo católico de Melbourne, Peter Comensoli, exortou o premier vitoriano Daniel Andrews, um católico batizado, a suspender o projeto de lei em uma declaração conjunta com líderes religiosos locais: “[O] Estado não tem interesse em como eu oro, quem Eu oro e pelo que oro. Eu recebo calorosamente qualquer legislação que proteja as pessoas do perigo, mas infelizmente este projeto de lei faz muitas outras coisas também, e temos que ser francos e claros, bem como caridosos. ”

“Estamos orando por uma maneira construtiva de nos abrirmos com todos os membros do Parlamento Vitoriano”, escreveram eles.