Polícia Civil investiga falsa aplicação de vacina em Niterói A Polícia Civil do Rio de Janeiro instaurou um segundo inquérito para apurar o caso em Niterói, na região Metropolitana, em que uma técnica de enfermagem inseriu a seringa e não aplicou a vacina contra a Covid-19 num idoso. 

Os investigadores tomaram conhecimento do fato através das redes sociais. Até a segunda-feira (15), ninguém havia procurado a 76 DP (Niterói) para um registro de ocorrência. 

Os agentes já solicitaram à Secretaria Municipal de Saúde de Niterói os nomes do paciente e da técnica de enfermagem para que os dois prestem depoimento. A profissional será ouvida nesta quarta-feira (17) e terá a oportunidade de esclarecer o que aconteceu no dia da imunização. 

O flagrante feito pela família no posto drive-thru da Universidade Federal Fluminense mostra o momento em que a profissional insere a seringa e não aplica a dose. De acordo com a Prefeitura de Niterói, ela foi afastada das funções e o idoso vacinado em casa um dia depois.

Em paralelo à investigação policial, o caso está sendo apurado pela prefeitura de Niterói. "Todas as medidas cabíveis serão tomadas. O protocolo determina que o Conselho Profissional de Enfermagem seja notificado. Fizemos isso nesta segunda-feira (15)", informou a assessoria do governo municipal.

A polícia do RJ investiga possíveis desvios relacionados à vacinação no estado. Já são duas denúncias de falsas aplicações da vacina contra a Covid 19. Os dois casos denunciados no Rio foram filmados pelas famílias dos idosos e viralizaram nas redes sociais. 

Se as investigações confirmarem os desvios de doses, ou qualquer outra irregularidade, os profissionais de saúde serão indiciados pelo crime de peculato. A pena pode chegar a 12 anos de reclusão.

O Conselho Regional de Enfermagem do Rio também apura as denúncias de irregularidades durante a vacinação. O Coren-RJ informou ainda que os profissionais afastados serão ouvidos pelo Departamento de Ética, que acompanha diretamente os casos. 

Siga-nos