Chefe das Olimpíadas de Tóquio renuncia após dizer que

O presidente do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, Yoshiro Mori, renunciou ao cargo nesta sexta-feira (12) após pressões e protestos por comentários machistas feitos por ele na semana passada.

Na quarta-feira da semana passada (03), o chefe japonês disse que “as reuniões do conselho [diretor das Olimpíadas] com muitas mulheres demoram mais” porque “as mulheres são competitivas – se um membro levanta a mão para falar, as outras acham que também devem se expressar”. Além disso, Mori afirmou que "se você aumenta o número de membros executivos do sexo feminino, e se seu tempo de palavra não estiver limitado em certa medida, terão dificuldade para terminar, o que é irritante.”

As falas geraram uma forte reação da sociedade japonesa, especialmente porque o comitê dos Jogos adotou como objetivo ser “o mais igual da história”. No dia seguinte à polêmica, Yoshiro Mori foi a público se desculpar, mas piorou a situação ao dizer: “não sei de nada, não falo com frequência com mulheres ultimamente”.

Em reunião nesta sexta, após toda a repercussão negativa, o agora ex presidente do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 anunciou sua renúncia ao cargo. “Minha declaração provocou muito caos”, justificou.

O comitê ainda não definiu um sucessor.