Moro diz que objetivo de hackers era anular condenações da Lava Jato O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, acredita que o objetivo da quadrilha de hackers que invadiu seu celular e de autoridades políticas, como os presidentes da República, da Câmara e do Senado, era anular condenações da operação Lava Jato.

“Uma coisa é o hackeamento e outra é a divulgação do material. Meu celular foi alvo e eu comuniquei imediatamente à Polícia Federal para apurar a invasão criminosa. Em relação à divulgação, não houve nenhuma requisição de minha parte. A polícia está investigando o hackeamento”, disse Moro à revista Crusoé.

Segundo o ministro, na divulgação, pelo sensacionalismo utilizado, pelo desrespeito às boas regras do jornalismo e pelo teor das matérias, “me pareceu que o objetivo era anular condenações da Lava Jato e impedir novas investigações”.

Moro, no entanto, disse que não cabe a ele dizer se o crime foi direcionado a um indivíduo específico ou a vários.

A informação de que Walter Delgatti Neto, um dos quatro presos por suspeita de hackear celulares, teria confirmado aos investigadores que entregou dados do Telegram de autoridades ao jornalista Glenn Greenwald suscitou dúvidas sobre as consequências jurídicas que o caso pode ter para o repórter e ao site The Intercept Brasil.

O sigilo de fonte protege os jornalistas de serem obrigados a revelar as suas fontes. Mas o sigilo da fonte não protege a investigação de crimes praticados pelas fontes jornalísticas.